Jardel diz que merece ser titular

Ele mesmo se considera "grosso", mas diz que o mais importante no futebol é o gol. Por isso, acredita ser um jogador de sucesso e merecedor da posição de titular da seleção brasileira. Afinal, já marcou cerca de 400 na carreira. No atual time do Brasil é, de longe, o maior goleador. Aos 27 anos, Jardel sonha alto, muito alto, quer chegar à marca dos mil, mas sabe que seu objetivo é quase impossível de ser alcançado. Ressalta, porém, que, se jogasse há 20 ou 30 anos, na época de Pelé, seguramente teria ultrapassado esse obstáculo. E reabre uma velha polêmica: os craques do passado tinham a vida mais fácil? " Hoje é muito mais difícil, os técnicos armam esquemas que fortalecem a marcação e dificultam bastante o trabalho do atacante", afirmou para a Agência Estado. "Se jogasse na época do Pelé, com certeza teria grandes possibilidades de chegar aos 1000 gols." A declaração pode parecer "arrogante" e até irritar alguns ídolos que já penduraram as chuteiras, mas Jardel não tem o perfil de um atleta polêmico, embora fale o que pensa. Pelo contrário, normalmente adota o discurso da humildade. A maior mostra é a declaração de que não se considera um grande jogador tecnicamente. Seu jeito simples atraiu a simpatia do técnico Luiz Felipe Scolari, que o prestigia desde os tempos de Grêmio, no início dos anos 90. O atacante se encaixa perfeitamente no estilo da seleção bandida, dividindo todas as bolas e marcando gols, sem se importar como, de canela ou de cabeça. "O Luiz Felipe é um treinador que sabe usar minhas qualidades, por isso sempre me dou bem com ele", explicou. Amanhã, Jardel atuará ao lado de Geovanni no ataque. Trocando de clube - Enquanto defende a seleção, seus empresários acertam os últimos detalhes para sua transferência do futebol turco para o francês. Jardel está trocando o Galatasaray pelo Olympique de Marselha, com o qual assinará contrato de três anos. "Estou mudando porque eu e minha família queremos conhecer uma nova cultura", comentou. O atacante fez muito sucesso no Porto, de Portugal, e também no Galatasaray. Por isso, recebeu várias propostas no fim da última temporada, como do Valencia, do Benfica e do Bayern Leverkusen. "Tornei-me ídolo no Porto e no Galatasaray e, por isso, sou reconhecido na Europa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.