Jardel e Pena: destino em xeque

Jardel e Pena voltam a ganhar espaço na imprensa portuguesa. O centroavante do Galatasaray continua na mira do Benfica e espera ter definição em torno do futuro até o final do mês. O atacante do Porto treinou nesta segunda-feira com os demais companheiros, pode voltar ao time no jogo com o Nantes pela Copa da Uefa, mas sonha com transferência para a Itália no meio do ano.A volta de Jardel a Portugal virou novela. O ex-goleador do Grêmio aceitou oferta do Galatasaray, em junho do ano passado, depois de quatro temporadas de sucesso no Porto. Na Turquia, tem feito gols com regularidade, mas já há algum tempo se mostra pouco à vontade. O Benfica entrou na disputa, apresentou-lhe proposta, mas até agora não bateu o martelo. O atacante está impaciente com a demora e revelou que tem uma boa quantia a receber, como multa, se o clube de Lisboa voltar atrás.O desabafo foi mal recebido pelos dirigentes do Benfica, clube que luta contra dificuldades financeiras, mas tem planos ousados. Marcos Fraga, empresário de Jardel, tratou de colocar panos quentes, em entrevista publicada pelo jornal "O Jogo", nesta segunda-feira. "Estamos negociando e até o final do mês haverá solução", garantiu. "Temos certeza de que tudo vai correr bem com o Benfica."Pena também está inquieto, mas para saber qual será o seu destino. O brasileiro não assimilou a punição da semana passada, quando foi afastado junto com Esquerdinha e Rubens Júnior, sob a acusação de que o trio estava abusando das "noitadas". Seu procurador esteve na sede do Porto, nesta segunda-feira, para conversar com dirigentes. Na saída, deixou escapar a "informação" de que seu cliente poderia formar dupla com Ronaldo, na Inter de Milão, a partir de julho.A diretoria do Porto e Pena não falaram a respeito do assunto. O jogador não quis, novamente, comentar as acusações de que estaria descuidando da forma física. Nem mostrou se tem expectativa de enfrentar o Nantes, quinta-feira, pelas oitavas-de-final da Copa da Uefa. O silêncio no Porto é total e os treinos têm sido realizados a portas fechadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.