Rubens Chiri/ São Paulo
Rubens Chiri/ São Paulo

Jardine confirma Volpi de titular no São Paulo e diz contar com Nenê

Treinador dá a entender que meia já tomou decisão e não vai trocar o Morumbi pelo Fluminense

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

18 Janeiro 2019 | 16h45

Apesar de dizer em determinado momento de sua entrevista coletiva, nesta sexta-feira, que não crava ninguém como titular ou reserva do São Paulo neste início de temporada, o técnico André Jardine confirmou que o goleiro Tiago Volpi larga na frente de Jean e será titular diante do Mirassol, sábado, às 19h30, no Pacaembu, pela primeira rodada do Campeonato Paulista.

Também afirmou que conta com Nenê, apesar do interesse do Fluminense no jogador, e deu a entender que já tem o "fico" do camisa 10. "Conversamos (com ele), tanto eu quanto a direção. Procuramos deixar claro a importância dele. É um jogador que está se empenhando muito para trazer alegria. A gente percebe esse foco. Ele largou como reserva na pré-temporada, mas é muito cedo para se cravar as situações entre reservas e titulares. Ele parece já ter tomado a sua decisão, pela motivação nos treinos", comentou o treinador, que também confirmou a presença de Nenê no 11 inicial contra o Mirassol, já que Hernanes não está à disposição para a partida.

Já em relação a Volpi, contratado este ano do Querétaro, do México, Jardine disse: "Começa o campeonato como titular. E imagino que consiga encontrar nos primeiros jogos oportunidades para o Jean. Difícil mensurar quem está melhor. A gente pode dizer que os dois estão em alto nível. Tem sido uma briga linda de ver".

Apesar de já ter demonstrado na Florida Cup algumas de suas preferências para a formação titular, Jardine tentou explicar que o time será modificado de acordo com as circunstâncias, como importância da partida e, principalmente, desgaste físico. Fez isso, por exemplo, ao ser questionado a respeito de como lidaria com a gestão de vestiário ao deixar dois nomes de peso do elenco, Diego Souza e Nenê, no banco de reservas.

"É uma circunstância inicial. Não cravo ninguém como titular ou reserva neste momento. A partir de amanhã os jogos que vão escalar. Oportunidade, todos vão ter. Mas isso não nos preocupa. E os jogadores não têm de ter essa preocupação. O calendário é muito cheio, todos serão úteis."

Confira outros trechos da coletiva de Jardine:

O que o torcedor pode esperar do Jardine no time nessa estreia?

"O treinador, para realmente conseguir mudar a conduta, precisa de treinamento. A gente conseguiu ter mais tempo, ainda longe do ideal. Foram 15 dias de treinamento, incluindo dois jogos. Já consegui proporcionar as ideias e os conceitos e tenho a expectativa de ver alguma coisa dentro de campo. Especialmente buscando o protagonismo e com marcação colocando dificuldade. Esse vai ser o caminho que a gente inicia e vamos evoluir nos primeiros jogos para, em determinando momento da temporada, atingir um nível maior."

É a grande chance da carreira?

"Sem dúvida. Sou muito grato ao São Paulo, ao Leco, ao Raí... que estão confiando a mim um cargo tão importante, que representa um clube gigante. Sem dúvida que é a maior oportunidade da minha vida. É bem fácil de imaginar o que representa para mim. Volto a falar que me sinto preparado. Trabalhei bastante para merecer essa confiança e espero a partir de amanhã corresponder à altura do que todo mundo espera para a temporada. A expectativa está grande."

Você está satisfeito com o elenco?

"O elenco das grandes equipes do Brasil nunca estão fechados. Vai depender da equipe ter bom desempenho, que nos possibilite enxergar a equipe lutando por títulos. Enquanto não enxergarmos em campo essa condição vamos estar buscando. Mas logicamente estou satisfeito com os reforços. Não só em quantidade, mas especialmente em qualidade."

Vai colocar todo mundo para jogar ou preservar no Paulista em relação à Libertadores?

"Até o jogo contra o Talleres, vamos estra muito atentos. Temos algumas possibilidades. Uma é usar as partidas para ganhar entrosamento. Isso seria lógico. Mas não sabemos como os atletas responderão fisicamente. Talvez, tenhamos de fazer rodízio entre os mais desgastados. Temos de pensar nisso. Fundamental que a gente não percar ninguém machucado. Vai ser uma junção dessas duas situações. Queremos dar minutagem para jogadores que podem ser titulares."

O São Paulo é favorito contra o Mirassol?

"Agora não tem saída. Contra qualquer adversário tem que propor o jogo, dar o ritmo. O adversário talvez tenha mais perna, mas enquanto tiver perna temos de nos impor. Tenho bastante esperança que a gente já consiga mostrar um futebol que julgo ideal."

O foco vai ser a Libertadores?

"Isso está no coração de todo mundo. Existe a expectativa. Não podemos ser incoerentes. Temos de pensar no próximo jogo, na próxima atividade e tentar deixar essa ansiedade. Porque precisamos respeitar o passo a passo, o campeonato Paulista, fazer uma boa arrancada. Nos últimos anos, o São Paulo não largou bem. É um discurso que está todo mundo de acordo aqui. Temos de priorizar a próxima competição. Com certeza quando chegar a libertadores vai ser forte. O desafio é ter motivação em todos os jogos."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.