Igor Amorim/São Paulo FC
Igor Amorim/São Paulo FC

'Jardine tem tudo para crescer como Muricy no São Paulo', diz ex-dirigente

Estudioso do futebol, novo auxiliar permanente do time tricolor é uma das principais apostas da diretoria para o futuro

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

10 Março 2018 | 01h00

Vitorioso na base tricolor, André Jardine, que vai assumir interinamente a equipe principal, dá um grande passo em sua carreira ao aceitar integrar de forma permanente a comissão técnica do São Paulo. Estudioso do futebol, é uma das principais apostas do clube para o futuro.

Raí detalha plano de ascensão para Jardine no São Paulo: 'Investimento de médio prazo'

Aos 38 anos, Jardine é um "investimento", nas palavras do executivo de futebol do clube, Raí. "Queremos estabelecer uma política de carreira. É um investimento de médio prazo. Temos total confiança no seu talento e competência. Estará junto da próxima comissão para, no futuro, assumir um papel mais importante."

Para Júnior Chávare, ex-diretor da base do São Paulo e do Grêmio, um dos responsáveis por conduzir Jardine de Porto Alegre para o clube paulista entre 2014 e 2015, o novo auxiliar tem tudo para trilhar trajetória semelhante à de Muricy Ramalho, que também começou nas categorias de base do tricolor, foi auxiliar no time principal e só depois teve chance de comandar o São Paulo.

"Guardadas as devidas proporções, pela identificação com o clube e a confiança que depositam nele, Jardine tem tudo para ter carreira parecida, crescer como o Muricy", analisa Chávare. "E a experiência dele na base é fundamental. Ele sabe como poucos identificar talentos e agora vai poder trabalhar com muitos nesses talentos na equipe principal."

Chávare afirma que vê Jardine construindo seu caminho e que o vê preparado para o novo desafio. "A torcida do São Paulo já tem um carinho e um respeito muito grande pelo Jardine. Ele está contruindo seu espaço dentro do clube e está preparado e qualificado para os desafios." 

Formado em Educação Física, Jardine iniciou a carreira na base do Internacional, onde ficou entre 2003 e 2013 e conquistou 31 títulos. Depois foi para o Grêmio e, em 2014, acertou sua transferência para o comando da base tricolor paulista. Em 2015, começou a trabalhar em Cotia.

À frente do time Sub-20 tricolor, faturou sete títulos: Copa Libertadores da América, duas Copas do Brasil, duas Copas RS, um Campeonato Paulista e uma Copa Ouro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.