Jayme de Almeida faz o Flamengo campeão após queda de Mano

Com a terceira conquista da Copa do Brasil, equipe rubro-negra garante vaga na Libertadores

Leonardo Maia, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2013 | 23h42

RIO – Mal sabia o Atlético-PR que selava o seu destino de vice-campeão da Copa do Brasil no dia 19 de setembro, com uma grande atuação e vitória contundente e afirmativa sobre o Flamengo, o mesmo que impediria uma conquista inédita. Naquela noite, o Rubro-negro carioca vencia por 2 a 0 e foi superado por 4 a 2, no Maracanã. Minutos depois, Mano Menezes abandonava o navio que parecia destinado a naufragar numa temporada de tormentas.

A partir dali, tudo mudaria. Auxiliar há três anos na Gávea, Jayme de Almeida, como tantas vezes ocorreu na história flamenguista, assumiu o comando de um time que parecia sem rumo e sem solução. Dois meses e meio depois, o Flamengo é campeão da Copa do Brasil pela terceira vez, tem garantida participação na Copa Libertadores e pode ambicionar um 2014 de objetivos ainda maiores. Jayme é calmo, ponderado, trabalha muito e em silêncio e não faz propaganda de si. "Eu não sou o 'demais'", costuma dizer, com humildade, mas sem modéstia, ciente de suas capacidades.

Com tais características, o técnico tranquilizou um ambiente de vestiário que ameaçava ruir. Uniu os jogadores, deu-lhes confiança e definiu um time titular. Foi essa formação que resistiu ao Atlético e ergueu a taça, nesta quarta, em um Maracanã que relembrou seus grandes momentos, na primeira final disputada por um clube no estádio desde sua reabertura.

O sucesso de Jayme não é inédito. Ao contrário. Na história do clube de maior torcida do país, muitas das grandes conquistas foram obtidas por treinadores que cresceram na Gávea, com o traquejo de lidar com sua política conturbada e a inteligência para driblar as artimanhas dos corredores obscuros. Para citar os exemplos mais recentes, foi assim com Carlinhos, campeão brasileiro em 1987 e 1992, e com Andrade, que conquistou a mesma honraria em 2009, o último troféu nacional do Rubro-negro antes da taça desta Copa do Brasil.

E, assim como os citados, Jayme tem suas raízes ligadas ao Flamengo desde sempre. Seu pai, também Jayme, foi dos jogadores que mais defenderam o clube, com 341 partidas nos anos 1930 e 1940. O atual técnico também deixou seu legado como um zagueiro técnico, mas firme, em 198 partidas, entre 1974 e 1977. "A história da minha vida aconteceu no Flamengo. Meu pai foi tricampeão carioca como jogador (1942/43/44) e como auxiliar técnico (1953/54/55)", destacou Jayme, após seu primeiro jogo como treinador efetivado, o empate em 1 a 1 com o Botafogo, pelas quartas de final da Copa do Brasil, há dois meses.

Na caminhada ao título, Jayme conseguiu transferir seu perfil tranquilo aos jogadores e impor um estilo de jogo consistente e bem delineado ao Flamengo. Foi com tais traços que a equipe conseguiu superar o Goiás, nas semifinais, e depois os paranaenses. O inesperado triunfo já garantiu ao treinador a permanência no cargo para o ano que vem, quando deverá ter um elenco mais encorpado para a disputa da Libertadores. A diretoria, em vez de buscar um técnico com mais bagagem, resolveu apostar em quem tem a pele e a manha rubro-negra. Prometeu pagar cursos de capacitação e aperfeiçoamento para Jayme.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.