Sergio Castro/AE
Sergio Castro/AE

Jejum contra o Corinthians não abala o São Paulo

'A história é muito mais importante que o passado recente', afirma o técnico Ricardo Gomes

AE, Agencia Estado

22 de setembro de 2009 | 19h51

O São Paulo não vence o Corinthians desde fevereiro de 2007, quando fez 3 a 1 pelo Campeonato Paulista. O jejum já dura mais de dois anos e meio, período em que aconteceram sete jogos, com quatro vitórias corintianas e três empates.

 

Veja também:

linkHernanes treina e deve voltar contra o rival Corinthians

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Apesar desse jejum, os jogadores do São Paulo garantem que não estão incomodados e que isso não faz diferença na hora de a bola rolar no clássico de domingo, contra o Corinthians, no Morumbi.

"Para mim é uma partida como todas as outras. Todo jogo é especial para mim, independentemente se for clássico ou não", afirmou o zagueiro Miranda, reconhecendo, porém, a atração do duelo de domingo. "Por ser um clássico, uma vitória é sempre diferente, porque um jogo como esse move emoções."

Na primeira fase do Paulistão deste ano, o São Paulo jogou com time misto e empatou por 1 a 1. Depois, já nas semifinais, perdeu por 2 a 1 no Pacaembu e por 2 a 0 no Morumbi, resultados que provocaram a eliminação são-paulina.

Pelo Brasileirão, o São Paulo encarou o Corinthians logo depois da eliminação na Libertadores - abalado, o time ainda estava sem técnico (Milton Cruz foi o interino após a demissão de Muricy Ramalho) - e perdeu por 3 a 1, no Pacaembu.

"O São Paulo tinha acabado de sair da Libertadores, tinha perdido o técnico. A diferença está aí. O Corinthians não estava na Libertadores, hoje os times são outros. É uma outra situação, é diferente", disse Ricardo Gomes.

O técnico não acredita que esse jejum possa afetar os ânimos de seus jogadores e fazer com que o clima para o jogo seja mais quente. Ele também não procura levar em conta o tempo que seu time não vence o adversário.

"Essa rivalidade entre São Paulo e Corinthians é muito maior do que esses últimos jogos, não nasceu apenas neste ano. É um rival muito importante. A história é muito mais importante que o passado recente", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.