Alastair Grant/AP
Alastair Grant/AP

Jejum desafia Messi no mata-mata do Barcelona contra o Chelsea

Argentino nunca fez gol na equipe inglesa, rival pelas oitavas de final da Liga dos Campeões nesta terça-feira

O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2018 | 07h00

Por mais estranho que pareça, Lionel Messi ainda não marcou um gol no Chelsea após enfrentá-lo oito vezes na Liga dos Campeões. O craque terá outra chance de quebrar esse histórico ruim nesta terça-feira, quando os times vão se enfrentar no Stamford Bridge, às 16h45 (horário de Brasília), no jogo de ida das oitavas de final.

+ Conte diz que Chelsea 'precisa saber sofrer' para passar pelo Barça

+ Técnico do Barça elogia adversário: 'É um dos melhores do mundo'

"Espero que possamos manter essa tradição, mas estamos falando de um jogador fantástico", disse o técnico Antonio Conte, na véspera do confronto, sobre o argentino. "O mais importante é o presente. Devemos ter muito respeito por ele, mas, ao mesmo tempo, devemos estar entusiasmados de fazer esse tipo de jogo e encarar esse tipo de desafio. Não será fácil, conhecemos perfeitamente esse jogador, estamos falando de um dos melhores do mundo", acrescentou o treinador italiano.

Vários dos confrontos entre os dois clubes foram épicos, embora eles não tenham se enfrentado na Liga dos Campeões desde que o Chelsea surpreendeu o Barcelona ao eliminá-lo na sua campanha do título em 2012. Messi perdeu um pênalti no jogo de volta, no Camp Nou, e o time superou a expulsão de John Terry para arrancar um empate por 2 a 2 e avançar, pois havia vencido o duelo de ida por 1 a 0.

Algumas semanas atrás, as chances de uma vitória do Chelsea sobre o Barcelona pareciam poucas, depois de os atuais campeões ingleses sofrerem derrotas contra equipas modestas, como o Bournemouth e o Watford. No entanto, o time se recuperou nos últimos compromissos, com vitórias sobre o West Bromwich Albion, por 3 a 0, e o Hull City, por 4 a 0.

Conte enfrenta vários dilemas para definir a escalação. Ele terá que escolher entre o capitão Gary Cahill e Antonio Rudiger por um lugar na defesa e entre Álvaro Morata e Olivier Giroud no ataque. Cesc Fábregas também quer jogar contra o seu ex-time, mas ele deverá se contentar com um lugar no banco.

"Qualquer momento é ruim para enfrentar o Chelsea", disse Ernesto Valverde, treinador de Barcelona. "Seu início do ano não foi tão bom, mas está sendo refeito, eles têm Hazard e Morata, eles têm um meio que joga de maneira especial, mas trabalhador".

O Barcelona sofreu uma única derrota em 38 jogos nesta temporada desde que perdeu a Supercopa Espanhola para o Real Madrid em agosto. Tem uma vantagem de sete pontos no topo da liga espanhola e avançou para a final da Copa do Rei.

Messi está tendo outra temporada brilhante, com 27 gols em todos competições, e foi decisivo no triunfo sobre o Eibar no fim de semana. Mas Philippe Coutinho não poderá ser usado, pois já atuou pelo Liverpool na Liga dos Campeões.

No outro jogo do dia, o Bayern de Munique vai receber o Besiktas, com o técnico Jupp Heynckes, tendo um dilema: muitas opções para escalar o time do meio para frente. Arjen Robben brilhou na vitória do líder disparado do Alemão sobre o Wolfsburg no sábado, mas Thomas Müller deve ocupar seu lugar. O colombiano James Rodriguez e o chileno Arturo Vidal descansaram no fim de semana, mas devem voltar ao time após a 22ª vitória nos 22 jogos desde que Heynckes substituiu Carlo Ancelotti.

O Besiktas surpreendeu a muitos ao avançar na liderança de um grupo que tinha Porto, Mônaco e RB Leipzig. Agora, então, tentará protagonizar uma zebra ainda maior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.