Jejum do São Paulo em clássicos não incomoda Muricy Ramalho

Treinador e jogadores preferem destacar o jogo consistente realizado no Morumbi

Fernando Faro, Agência Estado

24 de fevereiro de 2014 | 08h33

SÃO PAULO - Com a igualdade em 0 a 0 com o Santos no último domingo, o São Paulo chegou a 12 clássicos sem vitória - sete derrotas e cinco empates -, mas o incômodo jejum parece não preocupar Muricy. "É importante ganhar clássicos, mas de repente a gente chega no mata-mata e pode ganhar os que realmente importam", afirmou.

O discurso do treinador é o mesmo que dos jogadores, que comemoraram a exibição consistente depois de patinar muito nas últimas partidas. "O placar foi muito pouco apresentado pelas duas equipes. Foi um jogo de muita marcação, poucas jogadas. Saímos de campo com a sensação de que fizemos uma boa partida", ponderou Luis Fabiano, que teve boa participação apesar de ter passado em branco contra o rival.

Muricy também ponderou que o time ainda passa por um trabalho de reformulação e mudança de postura dos atletas. Satisfeito com o comprometimento dos atletas na atual temporada, ele mostrou otimismo e acredita que o esforço do grupo começará a dar seus frutos em breve.

"Estamos montando um time e um novo ambiente. Antes estava muito ruim, agora está ótimo; os jogadores estão com vontade de treinar. Devíamos demais desde o ano passado e agora está perto de ficar do jeito que eu realmente quero. Tem jogadores que nem no banco ficam e hoje estavam no vestiário. Jogador, quando entra, tem que lutar pelo time e nos treinos. Comportamento é super importante, tivemos um momento difícil recentemente porque o time era em segundo plano. Não fomos brilhantes, mas os caras se mataram em campo."

O São Paulo se reapresenta nesta segunda-feira e já inicia os preparativos para enfrentar o XV de Piracicaba fora de casa pela 11ª rodada. Com 15 pontos no Grupo A, o time está a três da líder Penapolense e a cinco do Linense, terceiro colocado.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão Paulo FCMuricy Ramalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.