Vinnicius Silva/Cruzeiro
Vinnicius Silva/Cruzeiro

Jejum preocupa e Mano Menezes promete mudanças no Cruzeiro

Treinador admite que precisará fazer alterações para manter a equipe em alto nível

Redação, Estadão Conteúdo

13 de junho de 2019 | 10h10

Ao ser derrotado pelo Fortaleza, na noite de quarta-feira, o Cruzeiro encerrou seu primeiro semestre do ano com uma desagradável sequência de nove derrotas, em todas as competições que disputa. E a preocupação ronda a comissão técnica liderada por Mano Menezes.

Após semanas negando qualquer crise na equipe, o treinador enfim admite que precisará fazer mudanças no Cruzeiro para a retomada do futebol brasileiro, ao fim da disputa da Copa América, no Brasil.

"Vamos encerrando essa parte até a parada para a Copa América, temos que trabalhar, reformular algumas coisas. Já não é mais uma fase. São coisas marcantes, que temos que pensar mais na frente", promete o treinador, sem indicar qualquer mudança que pretende fazer na equipe mineira.

A preocupação se justifica porque o Cruzeiro passou por poucas mudanças em comparação ao time campeão da Copa do Brasil do ano passado. A maior baixa foi o uruguaio Arrascaeta, contratado pelo Flamengo. Thiago Neves também se tornou desfalque, mas por motivos de lesão. Mas, mesmo com o seu retorno ao time, os resultados não vieram. No início da temporada, para compensar a perda de Arrascaeta, a diretoria trouxe Rodriguinho e Marquinhos Gabriel.

"A gente não tem muita explicação para dar. Tem que assumir os fatos como eles são", comentou Mano, após a derrota para o Fortaleza por 2 a 1, no Castelão. "Mais uma vez jogamos um tempo só. Primeiro tempo foi muito ruim, erramos praticamente tudo. Tomamos um gol com muita facilidade de novo. Quando poderíamos encerrar para organizar, tomamos mais um gol no último minuto e não poderíamos nem reclamar porque o Fortaleza foi melhor."

A nova derrota trouxe maior incômodo por ser diante de um rival que acabou de voltar para a primeira divisão e por ser contra um adversário direto na briga para se afastar da zona de rebaixamento. A sequência recente preocupa também em razão do contraste em comparação aos primeiros meses do ano, quando o Cruzeiro foi campeão mineiro e registrou a segunda melhor campanha na fase de grupos da Copa Libertadores.

Após a derrota de quarta, o elenco cruzeirense ganhou folga até o dia 23. No dia seguinte, vai se reapresentar para a retomada dos trabalhos, o que deve incluir dois amistosos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.