Jérôme Valcke aguarda cronograma final de Beira-Rio e Arena Corinthians

Secretário-geral da Fifa espera solução para estruturas temporárias em ambos estádios

Marcius Azevedo, O Estado de S. Paulo

24 de março de 2014 | 05h00

RIO - O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, começa hoje no Rio de Janeiro a maratona de participação em reuniões preparatórias para a Copa do Mundo, e espera ter rapidamente a solução para aquilo que considera o principal problema neste momento: a instalação das estruturas temporárias na Arena Corinthians e no Beira-Rio. Ele quer a elaboração de cronograma detalhado, que garanta que tudo estará pronto alguns dias antes da primeira partida em ambos os estádios.

As reuniões operacionais terão a presença de membros do Comitê Organizador Local da Copa (COL), representantes dos governos e de responsáveis pela organização da Copa nas cidades-sede. O tema das temporárias ganhou importância por causa das arenas de São Paulo e de Porto Alegre, mas outras sedes também serão cobradas para que agilizem os trabalhos. Um outro ponto sobre o qual haverá pressão é as obras de acesso e no entorno de vários estádios.

Valcke disse, na sexta-feira, desejar ter uma situação mais confortável em relação às pendências na preparação até o final desta semana – tem compromissos oficiais no Brasil, a princípio sempre no Rio, até quinta-feira. Mas, na realidade, espera a definição do plano de ação para o Itaquerão e o estádio do Inter no máximo até amanhã.

"Me disseram que na noite da segunda-feira ou na terça-feira, devo receber informações positivas sobre as situações nessas duas cidades São Paulo e Porto Alegre".

As informações positivas relacionadas à Arena Corinthians passam por garantia de que todas as intervenções referentes às temporárias – instalação de equipamentos eletrônicos e de tecnologia de informação, montagem de tendas ara abrigar a imprensa e voluntários e conclusão dos espaços VIP, entre outras – estarão prontas no máximo em 80 dias.

Valcke espera receber do Corinthians, que busca parceiros para amenizar os custos das temporárias (entre R$ 42 milhões e R$ 60 milhões), ou dos responsáveis pela organização da Copa em São Paulo, relatório pormenorizado, com dados como quais empresas farão os serviços e prazos de entrega.

A situação do Beira-Rio (custo estimado em R$ 30 milhões) é semelhante. Prefeitura de Porto Alegre, governo estadual e Internacional vão dividir a despesa. O processo de contratação de equipamentos e serviços está em andamento, no entanto existe dificuldade para obtenção de isenção fiscal que beneficie parceiros privados que se envolverão no projeto.

INSPEÇÕES

Paralelamente aos movimentos do secretário-geral da Fifa, integrantes de diversas áreas operacionais da entidade e do COL continuam hoje a série de inspeções em arenas da Copa. Eles irão à Arena Amazônia, em Manaus. Na quarta-feira, o tour vai ser encerrado com vistoria na Arena das Dunas, em Natal.

As vistorias começaram na quinta-feira, pela Arena Corinthians, e nos dias seguintes foram feitas, respectivamente, no Beira-Rio, na Arena da Baixada e na Arena Pantanal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.