Jerri: sabia que minha hora ia chegar

A torcida do Santos pode começar a se acostumar. O camisa 10 do Santos domingo contra o Coritiba, e nos próximos cinco compromissos no Campeonato Brasileiro, não será Diego (convocado para a seleção sub-23) e sim Jerri, jogador que fez sua estréia em partidas oficiais há uma semana, na goleada diante do Bahia (4 a 0), quando marcou um gol e foi eleito o melhor em campo. "Graças a Deus, o professor me dá mais uma chance", agradece o meia. "Tenho a oportunidade de me firmar no time", prosseguiu. E pela primeira vez, Jerri atua ao lado de titulares - contra o Bahia, Leão escalou reservas. Jerri está treinando desde o começo do ano. Foi relacionado várias vezes por Emerson Leão mas ficou em apenas uma na reserva (contra o Criciúma). "Sempre era cortado, ainda bem que não desanimei", lembrou. "Sabia que minha hora ia chegar". Jerri tem 21 anos. Participou de todas as divisões de base do Santos. Estava estourando a idade quando recebeu o convite para disputar a Série B-3 pelo Jabaquara ano passado. "Fiz uma ótima campanha e consegui a artilharia da competição com 19 gols". O Jabaquara foi o campeão Paulista do ano passado dessa divisão. Na volta à Vila Belmiro, Jerri teve de resistir a impaciência de não jogar. Aguardou a vez e agora tem uma grande chance. "Não prometo nada, só empenho e vontade de me firmar,"contou. "Quero ajudar o Santos a conquistar mais três pontos", finalizou.

Agencia Estado,

05 de julho de 2003 | 09h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.