Ivan Storti/ Santos FC
Ivan Storti/ Santos FC

Jesualdo defende equilíbrio e diz que Santos terá de se readaptar

Técnico português reforça que tem estilo de jogo diferente ao praticado por Jorge Sampaoli

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2020 | 18h16

O técnico Jesualdo Ferreira admitiu estar ansioso para estrear no comando do Santos nesta quinta-feira, contra o Red Bull Bragantino, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Paulista. O treinador também destacou que não será do dia para noite que o time vai assimilar um novo estilo de jogo, diferente daquele do antecessor Jorge Sampaoli.

"Temos de nos readaptar. Eu tenho uma forma de atuar, Sampaoli tem outra. O tempo de apropriar ideias e conceitos de jogo é grande. Não é em uma semana ou duas que você forma. Passei a mensagem aos jogadores. É possível atingir um bom patamar com a entrega de todos. Quero potencializar o que foi o coletivo do Santos no ano passado", explicou o português, em entrevista coletiva.

O treinador destacou que foram apenas 18 treinos em um espaço de 12 dias até entrar em campo na estreia pelo Paulistão. "Foi um tempo para conhecer os jogadores, podermos em conjunto conversar sobre 2019. Reorganizar os processos que embora tenham coisas em comum são diferentes. Jogadores foram sérios, competentes, empenhados no trabalho. Temos de encontrar a forma mais simples de jogar com o pouco tempo de trabalho."

Jesualdo afirmou que quer primordialmente uma equipe equilibrada. Segundo ele, o Santos pode continuar com o estilo ofensivo que marcou o período de Sampaoli no clube, mas que, para isso, precisa ser forte defensivamente. "A questão mais importante é que tem a ver com uma ideia e um conceito: não tem como ser ofensivo sem ter a bola. Se tiver a bola, às vezes, consegue ser ofensivo. É um time que se prepara para isso. Para tê-la, é preciso recuperar. Temos que nos preparar para nos defender e aí sim atacar", explicou.

Uma mudança importante em relação ao ano passado é que o Santos terá cinco capitães predefinidos. Neste primeiro jogo, contra o Bragantino, o volante Alison foi o escolhido pelo português para usar a braçadeira. Lucas Veríssimo, Carlos Sánchez, Pará e Luiz Felipe serão os outros.

"Quero ter cinco capitães para a equipe não depender só de um jogador. Quero que haja uma base que permita que muitas vezes cinco jogadores com o mesmo espírito, mesmas ideias e que façam suporte e proteção ao time", afirmou Jesualdo.

Apesar da longa carreira no futebol, com mais de mil jogos no currículo, o técnico disse que está ansioso para o primeiro jogo pelo Santos. "A forma que esse jogo tem de mexer comigo é diferente de outras. Trata-se de um país diferentes, situações diferentes, propostas diferentes do que vivi", disse o técnico. "Essa prova é o início de um trabalho. As coisas não se resolvem agora, tem muito caminho pela frente. Teremos momentos difíceis e outros mais fáceis", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.