Dave Thompson/AP
Dave Thompson/AP

Jesus volta, tem gol anulado e vê City ficar no 0 a 0 com o United pelo Inglês

Em retorno após lesão, atacante joga bem e oferece perigo para a defesa rival no clássico de Manchester

Estadão Conteudo

27 de abril de 2017 | 18h10

Manchester City e Manchester United não saíram do 0 a 0 em clássico de poucas emoções disputado nesta quinta-feira, no Etihad Stadium, pelo Campeonato Inglês. Donos da casa, os comandados de Pep Guardiola ficaram com a bola e chegaram a ter um jogador a mais na reta final, mas pouco criaram e pararam na defesa bem montada do rival.

Em uma partida tão fraca, o destaque foi o retorno de Gabriel Jesus. O brasileiro começou no banco e atuou por seis minutos após dois meses e meio afastado por causa de fratura no pé sofrida dia 13 de fevereiro. E com a estrela que tem mostrado em sua curta trajetória no City, chegou a marcar o gol que seria o da vitória nos acréscimos, mas estava impedido.

Foi também outro capítulo na rivalidade de Guardiola com José Mourinho. O resultado serviu para manter o City na zona de classificação para a Liga dos Campeões, quarta colocação, com 65 pontos, um à frente do United, que é o quinto e hoje estaria na Liga Europa.

O JOGO

O City tomou conta do campo ofensivo desde os primeiros minutos e teve a principal chance da partida logo aos oito. De Bruyne e Zabaleta brigaram pela bola na direita, o belga ficou com ela e cruzou para Agüero, sozinho, na pequena área, acertar a trave.

O United respondeu aos 24. Martial avançou pela esquerda e cruzou. Bravo cortou, só que no pé de Mkhitaryan, que chegou batendo firme. O chileno se recuperou e impediu o primeiro gol. Mas o City era bem superior e seguia incomodando o gol de De Gea, quase sempre com Agüero.

Melhor em campo no primeiro tempo, o argentino levou perigo em duas oportunidades consecutivas. Aos 31, recebeu na intermediária e encheu o pé de longe, para grande defesa de De Gea. Somente dois minutos depois, foi acionado na entrada da área, cortou bonito o holandês Blind e bateu por cima.

O primeiro tempo era todo do City, que dominava a posse de bola e só não levava mais perigo por causa da forte marcação do United. Kolarov, então, tentou de longe, mas parou em De Gea aos 35. A resposta veio aos 44, quando Rashford cobrou falta e Herrera cabeceou para fora.

A etapa final pouco mudou o panorama da partida, que continuou tendo o City superior em campo. Mas as chances que já eram escassas no primeiro tempo, praticamente não existiram nos últimos 45 minutos. Com um sistema defensivo bem postado, o United impedia qualquer infiltração do adversário. Agüero, agora bem marcado, quase não aparecia.

Assim, o domínio do City se tornou totalmente infrutífero. Em certos momentos, o time da casa beirou os 70% de posse de bola, mas De Gea se tornara mero espectador. Sterling, então, arriscou novamente de longe aos 25 e deu algum trabalho ao espanhol. Somente quando Fellaini perdeu a cabeça de forma infantil, o jogo ganhou emoção. Aos 37, o belga recebeu cartão amarelo por matar um contra-ataque do City. Segundos depois, ele se desentendeu com Agüero, acertou-lhe uma leve cabeçada e foi expulso.

Imediatamente, Guardiola lançou a campo Gabriel Jesus e, mais uma vez, o brasileiro colocou fogo na equipe. Aos 43, recebeu amarelo por entrada dura em Rashford. E nos acréscimos, marcou de cabeça após assistência de Agüero, mas estava impedido. Melhor para o United, que jogou pelo empate o tempo todo e comemorou ainda mais o 0 a 0 com um jogador a menos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.