Maurico Rummens/Fotoarena
Maurico Rummens/Fotoarena

Jô cumpre com obrigação e pode se tornar o 'homem-gol' do Corinthians

Atacante volta a marcar pelo clube, após 12 anos

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2017 | 13h01

Jô começou a reescrever sua história com a camisa do Corinthians ao marcar o gol da vitória contra o São Bento, por 1 a 0, em Sorocaba, e fez aquilo que a torcida esperava dele desde que surgiu como promessa na base: ser o “homem-gol” do time. No sábado, cumpriu com a sua missão.

O atacante não fez uma partida primorosa, mas como um centroavante que se preze, brigou bastante com os zagueiros, cavou faltas e até um pênalti bastante polêmico, em que ele mesmo admite que houve uma certa “malandragem” no lance.

 

“Teve um pouco dos dois (malandragem e pênalti). Tenho de ser sincero. Ele foi me puxando, eu vi que estava ficando sem força e caí. Então é indiscutível”, comentou o atacante, feliz por voltar a marcar pelo clube, logo em seu primeiro jogo oficial. Aos 8 minutos do segundo tempo, ele bateu o pênalti sofrido, após toque do zagueiro Pitty.

A última vez que Jô havia feito um gol pelo Corinthians foi no empate por 3 a 3 com o Botafogo, no dia 28 de agosto de 2005. No total, foram 18 gols em 116 partidas, números pouco inspiradores para um atacante. 

Por isso, a diretoria tentou contratar outras opções para o setor. Drogba foi um sonho por algumas semanas, mas a negociação fracassou. Kazim chegou para tentar fazer sombra, assim como o garoto Léo Jabá, que está na seleção brasileira sub-20

O fato é que Jô tem a grande chance de corresponder a toda expectativa da torcida e mostrar que não precisa jogar bem, mas sim, fazer gols. 

Após a partida, o corintiano que entrou para a história do clube por ser o atleta mais jovem a jogar e marcar um gol pela equipe, quando tinha pouco mais de 16 anos, disse que o próximo passo é marcar na Arena Corinthians. O primeiro jogo da equipe em casa será no sábado, contra o Santo André. 

Notícias relacionadas
Mais conteúdo sobre:
Corinthians Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.