Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians
Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians

Jô falta ao treino do Corinthians após ida ao pagode e pode não jogar mais com Vítor Pereira

Atacante recebeu uma enxurrada de críticas de torcedores e tem futuro no time alvinegro colocado em xeque

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2022 | 20h40

O atacante pode estar com os dias contados no Corinthians. E nem será pelo flagra em um pagode, na terça-feira, enquanto o time era derrotado pelo Cuiabá. O motivo é a ausência do atacante no treino desta quarta-feira. O atacante faltou e pode não mais ser escalado pelo técnico Vítor Pereira, que havia prometido não dar uma segunda chance após sumiço em março.

Há três meses, quando Jô "desapareceu" alguns dias para festejar o seu aniversário, o treinador português prometeu que não admitiria mais atos de insubordinação do centroavante. Mesmo em caso de arrependimento, Jô faltou com a palavra ao chefe.

"O Jô tem que aprender que é preciso conduta profissional. Jogador experiente, espero que ele tenha aprendido com a situação e não volte a acontecer. Costumamos dizer que na vida podemos errar, mas duas não podem acontecer", havia afirmado Vítor Pereira em março, dando um ultimato ao jogador.

O Corinthians disse que tratará o assunto internamente. Já havia reprovado o flagra no pagode, e agora ainda aplicará multa pela falta. Os dirigentes devem apenas optar pela penalidade financeira, mas a situação com o treinador é que pesará para o atacante.

Vítor Pereira contava com Jô o mais breve possível. Ser traído pelo jogador pode lhe custar o mesmo ostracismo vivido pelo também atacante Luan, fora dos planos pela falta de dedicação e em busca de um novo clube. O português não condenaria o jogador pela ida à balada. A falta na sequência, porém, muda sua visão ao centroavante.

O treinador prometeu dar uma resposta rápida pelo caso. E dificilmente dará novo perdão a Jô, como já havia sido duro em suas palavras. Vítor Pereira não ousará perder a mão com o elenco aceitando atos de indisciplina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.