Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Rodrigo Coca/Agência Corinthians

Jô minimiza problemas financeiros do Corinthians e explica queda de desempenho em 2019

'A gente precisa entender o momento, mas saber que é o Corinthians, um clube que sempre arcou com suas responsabilidades', disse o atacante

Raul Vitor, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2020 | 13h00

foi oficialmente apresentado ao Corinthians, na manhã desta quinta-feira, 25. O atacante falou pela primeira vez com jornalistas sobre seu retorno ao clube paulista. Durante a entrevista coletiva, realizada online, o jogador deixou claro que não está preocupado com os problemas financeiros da equipe alvinegra.

“Já deixei claro que a parte financeira não ia interferir em nada. Tenho um carinho e uma gratidão muito grande pelo clube. Hoje em dia não é só o Corinthians, é o mundo inteiro (que vive problemas financeiros). A gente precisa entender o momento, mas saber que é o Corinthians, um clube que sempre arcou com suas responsabilidades. Para mim, isso não foi um empecilho. Confio nos profissionais do Corinthians. É uma fase que todo mundo está passando. O importante é que estou muito feliz de estar aqui de volta”, explicou o atleta.

O atacante explicou que, num possível retorno ao futebol brasileiro, o Corinthians era sua prioridade e confirmou que houve sondagens para jogar em outros clubes, mas cumpriu com sua palavra.

“Eu deixo claro porque a gente tem que ser sincero. O futebol é aberto, houve especulações sim, mas deixei claro que se voltasse para o Brasil a prioridade seria o Corinthians, isso acaba afastando outras possibilidades. Sou sincero, honesto e tenho palavra. Fiz uma ótima escolha e estou muito feliz”, revelou.

Jô volta ao Corinthians após dois anos no Nagoya Grampus, do Japão, onde o atacante disputou 74 partidas e marcou 33 gols. Sua primeira temporada, em 2018, foi bastante regular. Foram 37 jogos e 24 gols. Em 2019, no entanto, o número de tentos do atleta diminuiu drasticamente. Nas mesmas 37 oportunidades, Jô balançou as redes adversárias apenas oito vezes. Ele justificou a queda de desempenho.

“Meu primeiro ano no Japão, em 2018, foi com um treinador japonês que tinha um estilo de jogo extremamente ofensivo. Se você buscar os números, nossa equipe foi a segunda ou a terceira com mais gols, mas foi a mais vazada. A gente tinha um time ofensivo, que me favoreceu. No segundo ano eu comecei bem, mas tive uma lesão grave no tornozelo, rompi ligamentos. Como tinha importância no clube, voltei para ajudar, mas sentia dores, meu joelho sobrecarregou muito. Aí fui me arrastando, teve outra troca de treinador, um italiano entrou nas últimas partidas e tinha um esquema tático mais defensivo, diminuíram as chances de gol e, consequentemente, caíram os números de gols. Houve uma série de detalhes que prejudicaram, mas, no todo, a média de gols foi alta”, disse.

Agora, Jô passará por uma bateria de exames físicos. Ele não joga desde dezembro de 2019, pois sofreu uma lesão no joelho no início de 2020, que lhe afastou dos gramados. Segundo afirmou, está "recuperado e 100%" para dar o melhor em sua terceira passagem pelo Corinthians.  

Tudo o que sabemos sobre:
Corinthiansfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.