Joel Santana mantém o mistério para definir o Flamengo

Treinador rubro-negro ainda não sabe qual time escalar; base da arrancada de 2007 pode ser mantida

Bruno Lousada, O Estado de São Paulo

20 de fevereiro de 2008 | 20h07

O Flamengo de 2007, aquele que garantiu classificação para a Copa Libertadores da América após arrancada sensacional no Campeonato Brasileiro, será praticamente o mesmo que brigará pelo primeiro título do clube da Gávea em 2008. Embora faça mistério, o técnico Joel Santana vai apostar no time do ano passado para derrotar o Botafogo, domingo, no Maracanã, na decisão da Taça Guanabara - primeiro turno do Campeonato Carioca.O treinador deixou isso bem claro no treino desta quarta-feira. Em relação à equipe do ano passado, Marcinho é o único ‘intruso’. Ele exerce a função de Renato Augusto, que se recupera de contusão. "Falando muito, dá armas para o inimigo", declarou Joel Santana, negando-se a dar qualquer pista sobre a escalação do Flamengo. A verdade é que ele decidiu retornar à base de 2007, que deu tão certo e empolgou a torcida. Por uma simples razão: a maioria das caras novas da equipe ainda não se encontra bem fisicamente. Jônatas é um bom exemplo disso e perdeu espaço.Comendo pela beirada, Cristian recuperou sua vaga no meio-campo. O mesmo pode se dizer de Toró, que substituiu Kléberson, ainda sem ritmo de jogo. "Tudo conta numa decisão. Joga quem estiver melhor em vários aspectos", entregou o treinador, que esbanjou bom humor ontem, bem diferente da semana passada, quando se desentendeu com um fotógrafo. Na ocasião, ele ficou chateado com a repercussão da goleada sofrida pelo Flamengo para o Fluminense, por 4 a 1, no Maracanã, num jogo que não valia rigorosamente nada. "Criaram um maremoto num copo d’água", afirmou, sem entender também as críticas que recebeu por conta do empate do Flamengo na estréia da Libertadores. A equipe ficou no 0 a 0 com o Coronel Bolognesi, no Peru.Mas a vitória sobre o Vasco, no fim de semana, e a classificação para a final da Taça Guanabara deixou Joel Santana tranqüilo. No melhor estilo paz e amor. Ontem, chegou a segurar três microfones enquanto dava entrevista para facilitar o trabalho dos jornalistas. "O que faz meu currículo são decisões e vitórias. A torcida já deu mostras que vai encher o Maracanã. A Gávea está lotada (nesta quinta). A procura por ingressos é intensa. Não podemos bobear." Malandro, no bom sentido da palavra, o treinador rechaçou qualquer rótulo de favorito. "O futebol ensina lições. Há um ano, quem era apontado o grande favorito na decisão do Carioca? O Botafogo. Mas quem venceu foi o Flamengo", completou, encerrando o assunto. O atacante Marcinho, então meia de origem, não quer saber da fama de penetra nesse Flamengo versão 2007. Ele estava no Atlético Mineiro, no ano passado, mas já se sente em casa na Gávea e promete muita garra para faturar seu primeiro título no novo clube. "Estou ansioso para chegar logo domingo. Quero ver a torcida gritar o nome do clube e vibrar bastante. Espero ser campeão". A torcida rubro-negra também.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.