Noor Khamis/Reuters - 10/05/2010
Noor Khamis/Reuters - 10/05/2010

Jogador africano bate marca de Roger Milla ao defender seleção aos 43 anos

Kersley Appou, das Ilhas Maurício, entrou em campo pela eliminatorias da Copa Africana de Nações

O Estado de S. Paulo

15 Abril 2014 | 18h15

SÃO PAULO - O atacante Kersley Appou quebrou um recorde histórico no último fim de semana. A 12 dias de completar 44 anos, o jogador entrou em campo para defender a seleção das Ilhas Maurício em uma partida válida pelas eliminatórias para a Copa Africana de Nações 2015. Com isso, o veterano bateu a marca do lendário Roger Milla, que jogou por Camarões até os 42 anos.

"Eu sabia antes da partida que poderia apagar o recorde. Milla é uma referência para a África, uma lenda para todos nós. Foi nisso que pensei quando meu técnico me mandou aquecer para entrar no jogo. Não esperava jogar, mas me sinto orgulhoso quando penso em Roger", disse o atacante à Fifa.

O último jogo internacional do camaronês foi disputado aos 42 anos e 39 dias de idade. Na ocasião, a Rússia goleou a seleção de Camarões por 6 a 1, no último jogo da primeira fase da Copa do Mundo de 1994. Milla, que já havia diputado os Mundiais de 1982 e 1990, marcou o único gol do time - na Itália, quatro anos antes, fez quatro gols.

Appou, que defende o Pamplemousses na liga nacional das Ilhas Maurício, fará 44 anos no próximo dia 24. "Amo jogar futebol desde minha infância. Simplesmente, nunca parei. Para mim, é um estilo de vida. Você tem que ser muito disciplinado para sua carreira durar tanto. Ainda jogo com paixão e prazer, mas vai ficando cada vez mais difícil por causa da idade e principalmente pela necessidade de continuar treinando e mantendo a forma. Não é fácil", afirmou.

Na partida contra a Mauritânia, Appou passou em branco e não marcou gols. As Ilhas Maurício acabou derrotada por 1 a 0. No próximo dia 20, o time receberá o rival em casa para tentar reverter o placar.

QUARENTÕES

Dino Zoff, goleiro italiano na Copa de 1982, tornou-se o jogador mais velho a conquistar a competição após a Itália bater a Alemanha por 3 a 1 na decisão do Mundial da Espanha. O jogador, inclusive, ergueu a taça no Santiago Bernabéu aos 40 anos e quatro meses. Pela seleção brasileira, o recorde pertence a Djalma Santos, que disputou dois jogos da Copa de 1966 aos 37 anos e quatro meses. Nilton Santos defendeu o Brasil em 1962 aos 37 anos.

Já Stanley Matthews se despediu da seleção inglesa aos 42 anos. O atacante disputou o Mundial de 1964 aos 39 anos. A carreira do jogador se prolongou até fevereiro de 1965, quando completou 50 anos. Antonio Carbajal, ex-goleiro mexicano, e Lothar Matthäus, meia alemão, jogaram cinco Copas do Mundo cada. Carbajal esteve no Brasil, em 1950, e participou do Mundial de 1966 aos 38 anos. Já Matthäus se despediu em 1998, aos 37 anos - estreou na Copa de 1982.

 

O goleiro da Colômbia, Faryd Mondragon, tem a chance de voltar a uma Copa do Mundo. Caso seja convocado para a disputa do Mundial do Brasil, o jogador será o mais velho a defender uma seleção na história da competição. Mondragón, que esteve nas Copas de 1994 e 1998, joga pelo Deportivo Cali e fará 43 anos no dia 21 de junho.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.