Reprodução
Reprodução

Jogador do Azerbaijão é preso por morte de jornalista que o criticou

Rasim Eliyev questionou atleta durante partida da Liga Europa

Estadão Conteúdo

11 de agosto de 2015 | 13h41

Seis pessoas, incluindo o jogador Javid Huseynov da seleção do Azerbaijão, foram detidas nesta terça-feira, acusadas da morte do jornalista esportivo Rasim Aliyev, falecido no domingo pela manhã. O capitão do Gabala é o suspeito de planejar o assassinato do repórter, que fez críticas a ele em uma postagem no Facebook.

Huseynov marcou gols nos dois jogos que classificaram o Gabala à última fase eliminatória antes da fase de grupos da Liga Europa. Na partida de volta contra o Apollon Limassol, do Chipre, exibiu uma bandeira da Turquia - em 1974, a Turquia invadiu o Chipre e ocupou 1/3 do território da ilha, criando lá a República Turca de Chipre do Norte, reconhecida apenas pelos turcos.

Quando um repórter grego questionou o por quê daquele gesto, Huseynov teria ofendido o jornalista. Rasim Aliyev criticou a atitude do jogador e, segundo o mesmo, teria começado a receber ligações de Huseynov e de sua esposa, com ameaças.

No sábado, o jornalista aceitou um encontro com o atleta e sua esposa, para um chá, onde resolveriam o incidente. Chegando ao local combinado, foi sequestrado por seis pessoas e agredido. A história foi contada pelo próprio Aliyev em entrevista gravada no leito do hospital onde depois morreria.

Huseynov negou todas as acusações, mas foi afastado do elenco do Gabala, que enfrenta o Panathinaikos, da Grécia, na próxima etapa da Liga Europa. O caso gerou grande repercussão e diversos organismos internacionais emitiram nota de repúdio. O governo de Baku, então, resolveu agir e, nesta terça, o Ministério do Interior mandou prender o jogador e outras cinco pessoas acusadas.

O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, disse estar seriamente preocupado com o incidente e defendeu a liberdade de imprensa do país. Baku, entretanto, vetou a presença de vários jornalistas internacionais na primeira edição dos Jogos Europeus, no mês passado. A jornalista Khadija Ismayilova segue presa após publicar reportagens denunciando o autoritarismo do governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.