Divulgação/Sampdoria
Divulgação/Sampdoria

Jogador italiano retorna ao futebol aos 46 anos após ficar uma década suspenso por uso de cocaína

Francesco Flachi era capitão da Sampdoria quando testou positivo para a droga antes de um jogo em 2007. Retorno deve acontecer em janeiro do ano que vem, em time da quinta divisão do país

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2021 | 16h18

De forma totalmente inesperada, o ex-capitão da Sampdoria, Francesco Flachi, resolveu dar mais uma chance à sua carreira de jogador. Em janeiro do ano que vem, ele estará livre da punição de 12 anos que recebeu por testar positivo para cocaína e planeja retornar aos campos aos 46 pelo Signa 1914, time da quinta divisão da Itália. 

No começo de 2007, tudo parecia perfeito para Francesco Flachi. Principal jogador da Sampdoria, capitão da equipe e próximo de alcançar a marca de 100 gols na liga italiana. Pouco depois de ser chamado para a seleção nacional pelo técnico Roberto Donadoni, a vida de Flachi tomou um rumo completamente diferente do esperado.

Horas antes de um jogo contra a Internazionale, o atacante recebeu a notícia de que havia testado positivo para cocaína. Primeiro, foi suspenso, e depois banido do futebol por dois anos. Em entrevista à BBC Sport, ele afirmou que “perdeu tudo naquele exato momento”. 

Um ano antes, Flachi havia recebido uma suspensão de dois meses após ser acusado de envolvimento em um esquema de manipulação de resultados. Ele garante que não tem relação com o caso. A expectativa sobre seu futuro era enorme, já que com os 110 tentos que tinha, estava entre os maiores goleadores da Sampdoria. Mas o resultado do teste anti-drogas impediu que ele continuasse sua história de sucesso. 

Após cumprir os dois anos de banimento, Flachi recebeu oportunidades em dois clubes da segunda divisão italiana. No entanto, o trauma anterior o paralisou. “Mentalmente, eu não era mais a mesma pessoa e eu não conseguia evitar cair de novo naquilo”, disse.

Em dezembro de 2009, ele testou positivo para cocaína mais uma vez. Como repetiu a infração, foi banido do futebol por 12 anos e decidiu encerrar a carreira. Antes do retorno, ele vinha treinando times locais e dando aulas para crianças na cidade de Signa, região da Toscana. Quem incentivou a ideia de voltar à ativa foi seu amigo e presidente do clube, Andrea Ballerini. “Tudo começou como uma piada, mas então nós falamos mais sério sobre isso. Eu já estava ajudando no Signa 1914, dando uma mão nas categorias de base”, disse Flachi.

O ex-capitão da Sampdoria já está treinando para voltar aos gramados e quer ajudar os novos companheiros a não cometerem o mesmo erro de seu passado. “Sei que cometi um erro e fui punido por isso. Também sei que não sou tão rápido como antes, mas posso fazer a minha parte e ajudar esses caras a acreditarem em si mesmos. Também quero que eles entendam quão bonito é o futebol. Eles não podem perder o que eu joguei fora”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.