Javier Cebollada/EFE
Javier Cebollada/EFE

Jogador que caiu do 3º andar de hotel na Espanha terá recuperação 'muito lenta'

De acordo com as últimas informações, Pelayo Novo segue na UTI de um hospital em Zaragoza

Estadão Conteúdo

01 de abril de 2018 | 20h50

O meia Pelayo Novo, que caiu do terceiro andar do hotel onde estava concentrado com o Albacete no último sábado, terá uma recuperação "muito lenta". Quem informou foi o próprio clube da segunda divisão espanhola, ao divulgar uma atualização do estado de saúde do jogador de 27 anos.

+ Jogador cai do 3º andar de hotel e partida da segunda divisão espanhola é adiada

+ Confira a tabela de classificação do Campeonato Espanhol

+ Com 2 de Bale, Real bate o Las Palmas e encosta no Atlético de Madrid no Espanhol

De acordo com as últimas informações, Pelayo Novo segue na UTI de um hospital em Zaragoza. O Albacete confirmou que o meia sofreu "múltiplas fraturas" e avisou que seu estado é "estável, dentro da gravidade" do problema, que o obrigou a ser submetido a cirurgia no sábado.

"Ele vai iniciar um processo lento de recuperação de suas importantes lesões. Ao longo do dia de hoje, a sedação foi sendo reduzida e ele começou a reagir satisfatoriamente aos estímulos neurológicos", informou o clube.

O vice-presidente do Albacete, Victor Varela, também veio a público para falar sobre o assunto. "O processo de recuperação será gradual, muito lento. A família está confiante de que ele está recebendo o melhor atendimento possível e que tudo vai evoluir pouco a pouco", declarou.

Novo estava com a delegação do Albacete em Huesca, onde jogaria contra o time da casa no sábado, pela segunda divisão - a partida foi adiada por causa do episódio. De acordo com os relatos, a queda aconteceu na parte interior do hotel. O jogador estaria encostado em um corrimão no terceiro andar, usando seu celular, quando se desequilibrou e caiu em um vão.

"Ontem, a coisa mais importante era ter certeza de que o jogador ficaria entre nós. Agora, precisamos esperar para ver como tudo vai progredir. Nós precisamos nos manter cuidadosos, não sabemos quanto tempo vai levar. Era uma situação emergencial, mas as coisas progrediram favoravelmente", explicou Varela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.