Taba Benedicto/Estadão
Stefany é natural de Erechim (RS) e tem 21 anos Taba Benedicto/Estadão

Jogadora surda faz Palmeiras passar a usar sinais em vez de gritos

Após chegada de Stefany Krebs, clube começa a usar Libras e gestos no dia a dia

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2020 | 04h30

A jogadora Stefany Krebs é surda. Isso não impediu que chegasse à seleção brasileira de futsal e se tornasse campeã mundial no ano passado. Também não freou o interesse do Palmeiras, que decidiu contratá-la para a equipe profissional com jogadoras que ouvem normalmente. Ela é a primeira surda do time alviverde. A surdez também não inviabiliza a comunicação com as companheiras, apenas transforma a troca de informações. Ela ensina a Língua Brasileira de Sinais (Libras) enquanto as amigas inventam gestos para as jogadas e para o dia a dia. 

A equipe já combinou diversos sinais para o jogo, como pressão para roubar a bola, posicionamento e cuidado com o lançamento nas costas. A defensora Stella, uma das mais próximas de Stefany, explica que o segredo é fazer gestos, como agitar os braços quando quiser receber a bola. Para chamar a atenção quando a companheira está de costas, é preciso o contato corporal, como um toque no ombro. “Ela já falou que a gente pode empurrá-la para a chamar a atenção”, sorri Stella. “Tem sido um aprendizado muito legal para todo mundo”, revela. 

Stefany, que gosta de ser apenas “Tefy”, também usa a leitura labial para entender o que os outros querem. Nesse caso, o interlocutor tem de articular bem as palavras e falar devagar. “Estamos conversando aos poucos. Elas falam ‘bom dia’ e eu me sinto feliz. Eu não estou sozinha. Estou sendo incluída”, diz a atleta com a ajuda de Eder Zanella, professor e intérprete de Libras que acompanhou a entrevista exclusiva ao Estado

Obviamente, esse é um aprendizado lento. Apresentada na semana passada como um dos reforços da temporada, a atleta de 21 anos ainda está se adaptando. “No começo, eu estava nervosa e agitada, mas depois as coisas foram acontecendo. A angústia acabou. É um passo depois do outro”, explica. “Às vezes, o surdo tem medo de tentar. A gente tem voz. A gente consegue”, diz a jogadora.

Para facilitar a inclusão no time do Palmeiras – essa é uma palavra importante e que vai aparecer outras vezes –, o clube contratou especialistas no tema. O preparador físico William Bitencourt e a analista de desempenho Vanessa Silva trabalham no clube e também fazem parte da comissão técnica da seleção brasileira de futsal de surdos. “Estamos dando uma atenção maior a ela neste início. Antes do treino, apresentamos um vídeo e explicamos como vai ser o trabalho do dia. Depois, fazemos os ajustes. São pelo menos três sessões de treinos fora do campo com ela”, explica o profissional. 

No treino da última quarta-feira, o Estado acompanhou parte dessa interação. No estádio Nelo Brancalente, em Vinhedo, cidade do interior que se tornou a sede do futebol feminino do Palmeiras, William se posiciona perto da linha lateral e orienta Tefy com frequência durante o treino coletivo. Sempre em Libras. Na hora das orientações do treinador Ricardo Belli, a mesma coisa. 

Natural de Erechim (RS), Stefany tem dois irmãos: Jean, surdo, e Josiane, ouvinte. O problema foi detectado quando ela tinha dois meses. “Esse diagnóstico foi realizado precocemente porque já tínhamos vivenciado todo esse processo com o meu outro filho. Quando descobrimos a surdez do Jean (com pouco mais de 1 ano) tudo foi muito difícil, por ser algo novo, tivemos todo o processo de luto da família, de tentar entender o porquê aquilo estava acontecendo e como iríamos lidar”, explica Roseli Marcia Benati, mãe de Stefany e intérprete de Libras na prefeitura de Erechim (RS).

“Nós passamos a reconhecer a potencialidade e capacidade dos surdos e passamos a lutar por escolas para surdos”, explica. “Meus filhos me constituíram como pessoa e como mãe. Tenho muito orgulho deles”, completa.

A adaptação de Tefy é facilitada pela percepção visual dos surdos, muito mais apurada do que a das jogadoras ouvintes. “Quem ouve, espera as orientações do treinador. Ela tem de ser independente, olhar a bola, o rival, a arbitragem, o treinador e o time”, conta William. 

Carismática e extrovertida, a menina capta detalhes da postura, do jeito e até da personalidade das companheiras e faz imitações na concentração em Vinhedo. “Todo mundo morre de rir com as imitações. Ela capta detalhes que a gente não percebe”, diz o preparador físico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Contratação de Stefany Krebs pelo Palmeiras abre as portas da inclusão

Chegada da jogadora ao futebol feminino profissional se insere em contexto de valorização das potencialidades dos surdos

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

20 de janeiro de 2020 | 04h30

As regras do futebol de surdos, seja do futsal ou futebol de campo, são idênticas ao do futebol de ouvintes. A única diferença está na arbitragem. Tanto o árbitro como os auxiliares usam bandeiras e apitos. As bandeiras sinalizam as indicações, como faltas, escanteios e pênaltis, para os atletas. Já os apitos mostram o que foi marcado para o público em geral.

O Brasil é um dos protagonistas nas duas modalidades. Em 2015, foi vice-campeão mundial de futsal na Tailândia. Em 2017, o time conquistou a medalha de bronze na Surdolimpíada, disputada na Turquia. No ano passado, a equipe brasileira foi campeã mundial de futsal em torneio disputado na Suíça.

Stefany Krebs tem sido um nome constante na equipe brasileira de surdos desde os 15 anos. Ela se sagrou campeã de torneios nacionais e internacionais, tendo como principais títulos um Interclubes (2016, pela Associação de Brasília), um Sul-Americano (2013) e um Pan-Americano (2014). No título mundial na Suíça, ela foi eleita a melhor jogadora até 21 anos e anotou seis gols.

A contratação de 'Tefy' pelo Palmeiras está inserida no contexto de inclusão dos surdos no esporte e na sociedade. Nos últimos anos, ganhou força a compreensão da surdez como uma diferença cultural e linguística, com valorização das potencialidades dos surdos. A Língua Brasileira de Sinais (Libras) foi reconhecida como língua oficial brasileira em 2002.

“A contratação da Stefany pelo Palmeiras poderá abrir as portas para outros surdos que buscam seu sonho em atuar nos times profissionais. A visibilidade sobre o Surdodesporto aumentará. A surdez não limita a busca dos sonhos”, diz Josiane Poleski, colaboradora da Confederação Brasileira de Desportos de Surdos (CBDS).

Para Roseli Benati, mãe de dois filhos surdos e intérprete de Libras, a única diferença dos surdos está na comunicação. “Com acesso às informações em Libras, o surdo faz qualquer coisa como qualquer um de nós, ouvintes. Dar visibilidade às conquistas dos surdos contribui para melhorar a inclusão social no Brasil. Muitas vezes a sociedade é excludente por falta de conhecimento”, opina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.