Universidade Brasil
Universidade Brasil

Jogadoras do Corinthians voltam a estudar após ganharem bolsas de estudo do patrocinador

A goleira Tatyane, a lateral Katiuscia e a meia Giovanna estudam na Universidade Brasil

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2019 | 21h29

A goleira Tatyane Amaro Santos, a lateral-direita Katiuscia Fernandes Soares e a meia Giovanna Crivelari Anselmo, que atuam no futebol feminino do Corinthians, estão estudando na Universidade Brasil, patrocinadora do clube, depois de conseguirem bolsas integrais de estudo.

Tatyane escolheu a carreira de Gestão em Agronegócio por sua familiariadade com a vida no campo - ela nasceu e cresceu na zona rural de Goiânia. “No início da carreira como atleta, em Goiânia, eu ia de trator até o ginásio onde aconteciam os treinamentos. Parte da minha família era contra a ideia de eu me tornar jogadora, principalmente a minha mãe. Hoje em dia, as coisas melhoraram. Mostrei pra ela que eu realmente quero seguir em frente, e a confiança aumentou. Ela está orgulhosa por me ver em um dos maiores clubes do país”, diz a atleta de 23 anos.

“Escolhi esse curso porque fui criada em fazendas, e agora tenho a chance de adquirir um conhecimento teórico sobre como gerir tudo que acontece nesses locais. Quando encerrar minha carreira como jogadora de futebol, quero trabalhar nessa área”, completa.

A lateral-direita Katiuscia, de 24 anos, estuda desde o ano passado. “Nós, atletas em atividade, sabemos que a carreira não dura a vida toda e precisamos pensar no futuro também pelo aspecto financeiro”, conta a atleta, matriculada no curso de Processos Gerenciais.

“Essa parceria é muito boa para nós, atletas, por dar a oportunidade de estudarmos com bolsa integral. Nosso dia a dia é corrido, mas dá para separar um tempo para se dedicar aos estudos, ainda mais por oferecerem essa chance também para cursos à distância”, conta Giovanna, de 26 anos, que vai estudar Sistemas de Informação.

Inicialmente, o projeto "Esporte com Educação" oferecia bolsas de estudos para funcionários e pessoas de baixa renda (até dois salários mínimos) de comunidades carentes e ONGs indicadas pelo clube. A pedido da Universidade, o projeto foi ampliado e beneficia também colaboradores, funcionários e atletas do Corinthians. Já foram distribuídas mais de 150 bolsas.

O projeto tem relação com a campanha do time no Campeonato Brasileiro. Vitória, gols marcados, partidas sem sofrer gol e rodadas na liderança renderam uma bolsa de estudo ao longo do Brasileirão 2018. No ano passado, foram destinadas 57. "O mais importante é a ajuda ao próximo, às pessoas que sempre sonharam em ter um diploma, mas nunca conseguiram", conta Fernando Costa, reitor da Universidade Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.