Sam Robles
Sam Robles

“Jogadoras mais novas serão melhores que Marta”, prevê Pia Sundhage sobre futuro da seleção

Sueca tem planos de longo prazo para a equipe e acredita que as mudanças começam no Japão

Redação, Estadão Conteúdo

18 de julho de 2021 | 21h33

A lista de convocadas da técnica Pia Sundhage para os Jogos de Tóquio foi uma prévia de que a sueca tem novos planos para a seleção feminina de futebol. Ao deixar a atacante Cristiane de fora, ela encerrou um ciclo na equipe que durava desde 2004. Para a treinadora, o futuro já começa no Japão e ela faz uma promessa ousada antes do início do torneio, “as jogadoras mais novas, eu prometo, serão melhores. Melhores ainda que a Marta”.

À frente da seleção desde agosto de 2019, Pia sempre deixou claro que seu projeto não era de curto prazo. A equipe que está em Tóquio para as Olimpíadas é uma prova disso, pois é uma mescla de gerações e conta com nove estreantes no grupo de 22 jogadoras. “Precisamos de novas jogadoras. Porque depois disso, vamos ter Copa América, Copa do Mundo, outras Olimpíadas e assim por diante. É importante apoiar as mais jovens. Elas terão grande futuro”, declara a técnica que tem três medalhas olímpicas.

Essas mudanças têm como foco direcionar o olhar para novas situações, porque o que funcionava ontem, não tem o mesmo peso hoje. Dar apoio às jogadoras mais novas é o que elas precisam para dar o próximo passo. “Espero que os torcedores conheçam essas jogadoras e as acompanhem. Temos que mostrar para elas qual é o nível mais alto. É bom estar perto de jogadoras como Marta, Debinha e Formiga. É uma combinação que eu adoro”,  disse a treinadora.

Pia não esconde o orgulho em contar com Marta em sua equipe. Segundo ela, a atleta tem muita energia e conhecimento. "Acredito mesmo que a Marta seja uma jogadora de time. Se ela joga bem, o time também joga. Hoje ela tem um papel diferente de antes, mas ainda é muito importante”, analisa. 

A três dias da estreia nas Olimpíadas, a sueca disse que o foco está todo no trabalho para as próximas semanas e garante que será de muito treinamento. Ela está confiante em sua equipe e acredita no ouro. “Temos chance de chegar às quartas de final. E quando chegarmos, qualquer uma das oito equipes poderá ganhar essa medalha de ouro. E o Brasil pode ser um deles”, finalizou.

O primeiro jogo será quarta-feira, às 5h da manhã (de Brasília), diante da China. O Brasil também tem encontro marcado com a Holanda, dia 24, e Zâmbia, dia 27. A disputa ainda conta com Austrália, Estados Unidos, Suécia e Nova Zelândia no Grupo G e Canadá, Chile , Japão e Grã-Bretanha no Grupo E.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.