Christian Charisius/AFP
Christian Charisius/AFP

Jogadores alemães admitem que se emocionaram ao ver torcida chorando após 7 a 1

Ginter sugere que há uma diferença de percepção sobre o que será o amistoso desta terça entre Brasil e Alemanha

Jamil Chade, correspondente / Berlim, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2018 | 10h38

BERLIM - Ginter e Boateng são alguns dos remanescentes da seleção da Alemanha que humilhou o Brasil na semifinal da Copa de 2014. Agora, eles voltarão a enfrentar o time brasileiro em Berlim, nesta terça-feira, às 15h45 (de Brasília), em amistoso de preparação para o Mundial de 2018. E os dois defensores admitem que ficaram "emocionados" diante do que viram nas arquibancadas do Mineirão, palco daquele confronto em Belo Horizonte.

RELEMBRE: Brasil leva 7 x 1 da Alemanha e sofre a sua pior derrota na história

Alemanha avança no plano de se tornar a maior potência mundial no futebol

"Durante o jogo, nós mesmos nos perguntávamos: é normal esse resultado?", disse Boateng. "Pensamos nisso. Mas tínhamos de ficar concentrados e jogar o jogo. Quando ele acabou, olhamos para a torcida e, não é que deu pena, mas ficamos emocionados", disse.

"Estávamos super contentes de ir para a final da Copa. Mas deu para sentir empatia daquela torcida. Teria ocorrido o mesmo se fosse na Alemanha", afirmou o defensor.

Ginter também destacou que, em 2014, "não foi um jogo normal". O alemão também esteve na final da Olimpíada de 2016, no Rio, onde a seleção olímpica do Brasil levou a melhor sobre a Alemanha nos pênaltis, no Maracanã. "Vimos que era muita pressão sobre o time brasileiro. Para nós, era apenas uma Olimpíada. Mas para eles era um jogo especial. Acho que no amistoso vamos ter um pouco de sentimento do passado", disse.

Ginter sugere que há uma diferença de percepção sobre o que será o amistoso. "Para o Brasil, sempre falam do 7 a 1. Para nós, só estamos pensando na Copa", disse. "O 7 a 1 é um tema para os brasileiros. Não é grande coisa para nós. Mas temos que nos preparar para um Brasil muito motivado e muito forte", disse Boateng. Ambos destacam a melhoria do time brasileiro. "Hoje eles têm muitas opções", reforçou Ginter.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.