Jogadores alemães derrapam na habilidade no treino

A diferença de estilos entre Alemanha e Brasil fica evidente no treino dos anfitriões da Copa. As poucas brincadeiras com a bola terminam com chutões para o gol, os jogadores evitam driblar, riem pouco, correm demais e não se cansam de repetir jogadas específicas.Na segunda-feira, o Portal Estadão acompanhou o treinamento no Estádio am Wurfplatz e viu, por exemplo, que logo depois do rachão entre reservas e titulares, o lateral-direito Marcell Jansen, mesmo não sendo dia para aprimorar fundamentos, arriscou diversos chutes à distância - sempre do mesmo local, logo após a grande área. Os atacantes Gerald Asamoah e Mike Hanke ficaram pelo menos vinte minutos numa prática monótona e sem qualquer criatividade, chutando de um canto a outro do campo. Vários toques eram de bico inclusive, principalmente os que eram dados por Hanke. Quando a bola ia um pouco mais alta - daquelas que jogador brasileiro mataria no peito, faria embaixadas -, os alemães se esquivavam e partiam em seguida para buscá-la no gramado. É curioso observar que, mesmo no treino, os atletas evitam dominar a bola à meia altura. Preferem tocar de primeira ou, se possível, finalizar para o gol. Em determinado momento, juntou-se a Asamoah e Hanke uma das revelações da Alemanha, o meia Schweinsteiger, do Bayern de Munique. Foi o único a arriscar algumas brincadeiras. Passou o pé por cima da bola e, diante de um companheiro de time, tentou sem sucesso algo parecido com um elástico, à "la Rivellino". Mas foi reprovado mesmo quando quis fazer as pedaladas eternizadas pelo jogador Robinho, do Real Madrid e da seleção brasileira. Se pecam no que os brasileiros conhecem como habilidade, dão exemplo em aplicação nos treinamentos. Mesmo sendo um rachão, os atletas entravam duro, marcavam forte e ouviam com atenção as intervenções do técnico Jürgen Klinsmann. Em outro aspecto, nos fundamentos, também levam vantagem. Schweinsteiger, Podolski e a maior parte do time é precisa nos passes; Klose, fulminante nas conclusões e todos os jogadores parecem que trazem do berço a noção de como subir nos cabeceios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.