Jogadores da Alemanha provocam argentinos na festa do título mundial

Seis jogadores do time alemão ironizaram os vice-campeões do mundo; imprensa da Argentina repudia a atitude e fala em racismo

O Estado de S. Paulo

15 de julho de 2014 | 14h39

Os novos tetracampeões do mundo chegaram a Berlim nesta terça-feira, dois dias depois de derrotarem a Argentina por 1 a 0 no Maracanã na final da Copa do Mundo. Na festa do título, diante de 500 mil torcedores, os jogadores da Alemanha resolveram prestar uma homenagem à seleção argentina e provocaram os rivais. O ato foi alvo de críticas da imprensa argentina, que chegou a falar em racismo.

Depois de o grupo desfilar em carro aberto pelas ruas da capital alemã, seis jogadores da seleção da Alemanha - entre eles Weidenfeller, Schürrle, Götze e Kroos - ironizaram os vice-campeões mundiais. Na provocação, os atletas se abaixaram e cantaram: "somos gaúchos, e gaúchos andam assim" (o termo gaúcho diz respeito aos argentinos). Em seguida, ergueram a cabeça e gritaram: "“somos alemães, e alemães andam assim". O canal de televisão ZDF reprodiziu as declarações em uma mídia social: "So gehen die Gauchos, die Gauchos, die gehen so. So gehen die Deutschen, die Deutschen, die gehen so."

A provocação causou indignação na Argentina. O diário Olé criticou os alemães e frisou que a brincadeira era um ato de discriminação. "Olhem como nos imitaram os jogadores alemães. Espero que a AFA repudie o dano dos jogadores alemães à seleção argentina. Que um fã faça algo assim, é algo grave. Que um jogador proceda assim, é pior pelo que ele representa", disse o jornalista Juan Pablo Méndez.

A Alemanha voltou a vencer a Argentina em mais uma decisão da Copa do Mundo. O fato já havia ocorrido em 1990, na Copa da Itália. Na ocasião, o time europeu também bateu o rival por 1 a 0. A seleção alemão, dessa forma, encerrou um jejum de 24 anos sem título. Os argentinos, por sua vez, continuam sem erguer a  taça da Copa do Mundo. A última conquista deu-se em 1986, no México, justamente sobre a Alemanha (3 a 2).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.