Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Jogadores da Portuguesa publicam nota em repúdio à diretoria

Atletas alegam atrasos de salários; diretoria do clube demonstram surpresa com protestos

Vanderson Pimentel, O Estado de S. Paulo

25 de outubro de 2013 | 18h19

SÃO PAULO - Os atrasos de salários, as premiações que não foram pagas e até mesmo o não recebimento do auxílio-moradia há oito meses foram os motivos que fizeram os jogadores da Portuguesa se revoltarem com a diretoria. Por causa da insatisfação, os jogadores soltaram uma nota, nesta sexta-feira, explicando as razões e também o que eles irão fazer em forma de protesto. Dentre as atitudes, os jogadores falam em não se concentrar antes dos jogos. Com isso, o elenco deve se apresentar somente no estádio, momentos antes dos jogos em casa. Como visitantes, os atletas propuseram viajar somente nos dias das partidas.

 

Na nota, os jogadores prometem seguir com a mesma dedicação dentro de campo, tanto em respeito aos torcedores, que também são grandes críticos da diretoria, e também ao treinador Guto Ferreira, que assumiu a Lusa na lanterna do Campeonato Brasileiro e é um dos principais responsáveis pelo time estar na 13.ª colocação do torneio. A emissão da nota pegou a diretoria do clube de surpresa. De acordo com a assessoria de imprensa da Portuguesa, o vice-presidente Roberto dos Santos conversou com os atletas, que tinha acordado em pagar os meses de auxilio-moradia e também uma parte dos salários atrasados ainda nesta sexta-feira. Os atletas viajaram normalmente para enfrentar o Flamengo, no próximo domingo.

 

Leia a nota publica pelos jogadores da Portuguesa:

 

"Os Atletas da Associação Portuguesa de Desportos vêm, por meio desta nota, em respeito aos torcedores da Portuguesa, bem como as demais pessoas que gostam do clube, fazer alguns esclarecimentos que se fazem necessários!

 

Mesmo no momento mais difícil, em que o clube se encontrava na zona de rebaixamento, nós, Atletas, em nenhum momento deixamos de honrar a camisa da Portuguesa, bem como o nosso contrato com o clube. Entretanto, o mesmo não pode ser dito do clube:

 

Há constante atraso no pagamento de salários;

 

O valor referente ao direito de imagem encontra-se com 3 meses de atraso;

 

O valor prometido a título de ajuda moradia não foi pago em nenhum mês de 2013;

 

As premiações acordadas não foram cumpridas, referentes ao ano passado;

 

Aceitamos jogar contra Corinthians e Flamengo fora de nosso estádio e longe do apoio de nossa torcida, sob a promessa de que a renda desses jogos seria utilizada para quitar essas pendências, o que nunca ocorreu!

 

Enfim, resta claro que nós jogadores sempre respeitamos o Clube e a torcida, sendo que o mesmo não pode ser dito da diretoria, que desrespeita os jogadores e fazem falsas promessas.

 

Diante deste necessário, continuaremos honrando a camisa da Portuguesa, mas tomaremos medidas que se fazem necessárias, como não concentrar mais nos jogos em São Paulo e, nos jogos fora, viajar apenas nos dias dos jogos!

 

Reiteramos que respeitaremos o clube e a torcida, embora não estamos sendo respeitados pela diretoria.

 

Colocamo-nos à disposição para os esclarecimentos que se fizerem necessários, tanto de forma individual, como na pessoa do advogado que assessora os jogadores neste caso específico, Dr João Henrique Chiminazzo e Atletas da Portuguesa."

Tudo o que sabemos sobre:
PortuguesafutebolBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.