Jogadores da seleção ansiosos com retorno ao Maracanã

Juan e Gilberto só temem o estado do gramado, já que não atuam no local há pelo menos três anos

Fabio Hecico e Silvio Barsetti, Estadão

16 de outubro de 2007 | 19h11

A seleção brasileira estará em casa nesta quarta, no Maracanã. Mas para muitos jogadores será mais um duelo em campo desconhecido. Dos 11 titulares escalados por Dunga, Vágner Love jamais jogou no estádio. Os outros 10 voltam ao palco depois de muitos anos e estão apreensivos por conhecer pouco o gramado. Veja também: Ronaldinho pede seleção mais agressiva para alegrar torcedor Dunga deixa marca dos pés na Calçada da Fama do MaracanãNesta terça-feira à tarde fizeram apenas um reconhecimento rápido, mas há o temor de chuva na hora do jogo. Principalmente pelo trio carioca, formado por Júlio César, Juan e Gilberto, ‘nascidos’ no estádio. "É complicado jogar num local que não sabemos quais suas reais condições", afirmou o lateral Gilberto, lançado no América, mas que se consagrou no Flamengo."Será um jogo especial para mim, voltar ao Maracanã onde não jogo faz cinco anos. Ainda me lembro de ter atuado aqui, ao lado do meu irmão (o meia Nélio, pelo Flamengo)", afirmou Gilberto. "Foi uma data marcante." Na verdade, sua última aparição no local aconteceu em maio de 2004, defendendo o São Caetano. Empate com seu Flamengo por 1 a 1 pelo Brasileiro."Não tem como não ficar emocionado jogando no Maracanã. Ali, joguei pelo primeira vez com o Flamengo (vitória por 2 a 0 sobre o Atlético-MG) e surgi para o futebol. Dá até um friozinho na barriga saber que voltarei para casa", disse o zagueiro Juan, também nascido no Flamengo. Ele não faz um jogo oficial no estádio desde 2002. O goleiro Júlio César, antes de embarcar para a Inter de Milão, fez sua despedida no Maracanã. Nada organizado, entretanto. "Não vejo a hora de o jogo chegar. Será uma emoção grande jogar perante nossa torcida", disse o camisa 1 que fez sua última partida no local em 5 de dezembro de 2004, num 0 a 0 com o Atlético Paranaense. Lúcio e Ronaldinho Gáucho é quem mais estranharam o campo, onde não voltam desde 2000. Já Mineiro não deve ter problemas, pois atuou em 2006 pelo São Paulo. "Independentemente de ser no Maracanã, quem veste a camisa da seleção tem de jogar bem e, conseqüentemente, levar a equipe às grandes vitórias."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.