Jogadores da seleção driblam imprensa e saem para folga

Os jogadores da seleção brasileira driblaram a imprensa e deixaram o estádio da Basiléia na noite desta terça-feira em carros particulares para a primeira folga depois desde o início da preparação do Brasil para a Copa do Mundo. Ronaldo, Robinho, Adriano e outros jogadores sequer usavam os uniformes da CBF ao saírem do estádio. Desde o dia 22 de maio a seleção está reunida na cidade de Weggis realizando treinos físicos e táticos. O técnico Carlos Alberto Parreira deu até o meio dia de hoje para que os jogadores se apresentassem de volta à concentração. Zé Roberto confessou que o período de folga era "curto". "Normalmente as folgas são um pouco maiores", disse. A folga é a primeira oportunidade que os jogadores tiveram para descansar, rever seus familiares ou se reunir com amigos. Um dos poucos a falar com a imprensa foi Juninho, que festejou seu aproveitamento no jogo desta terça e o gol de falta. O meia entrou bem no segundo tempo e provou que é a primeira opção entre os reservas para a seleção. "O que eu mais queria era estar na Copa. Não estou preocupado com quem vai começar. O importante é estar preparado para entrar e o banco de reservas pode ser um diferencial do Brasil na Copa", disse. Enquanto os jogadores saiam do estádio, Parreira tentava minimizar os desentendimentos entre Edmílson e Adriano. Na segunda-feira, em um coletivo, o volante entrou duro no atacante, que depois revidou. O técnico disse que conversou com os dois e que o caso não teria tido desdobramentos. "Foi uma entrada dura, mas eles são amigos e isso acontece em um treino. Caso contrário não seria um treino", disse. Para Zé Roberto, o caso não afetará o grupo. "A seleção está fechada. Todos lutam por um lugar no time titular." A assessoria de imprensa da CBF também informou que o volante e o atacante almoçaram juntos na mesma mesa nesta terça, na Basiléia, e que teriam ficado surpreendidos com a repercussão que o fato ganhou no Brasil.

Agencia Estado,

30 Maio 2006 | 19h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.