Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Jogadores da seleção encaram Copa América como laboratório

Brasileiros já pensam nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018

CIRO CAMPOS, O Estado de S. Paulo

08 de junho de 2015 | 10h33

A atual geração da seleção brasileira se prepara para estrear na Copa América, no domingo, no Chile, com uma visão muito mais voltada para o futuro. O elenco disse, após bater o México por 2 a 0 no amistoso disputado no Allianz Parque, que já está preocupado em evoluir para disputar as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, na Rússia, a partir de outubro.

A disputa por vagas promete ser mais difícil, pois com o Brasil de volta à competição depois de ser país sede no último Mundial, aumenta a concorrência. Para as quatro vagas diretas, serão dez concorrentes, dos quais cinco conseguiram ir para a segunda fase na Copa de 2014. "Voltar a jogar no Brasil foi bom. A torcida voltou a ter contato com a gente e no futuro. Vamos ter os jogos das Eliminatórias e quanto mais próximo ela tiver do time, melhor será", disse volante Fernandinho.

O adversário na estreia da Copa América será o Peru, em jogo que marca a primeira competição do Brasil desde o fim da última Copa do Mundo. A equipe do técnico Dunga admite que se sente cobrada a fazer uma boa campanha tanto para apagar o fiasco vivido ano passado quanto para se preparar para as Eliminatórias. "Jogo a jogo vamos reconquistar o carinho do torcedor e a admiração da imprensa. Nada como vencer um título importante para ajudar, como a Copa América", afirmou o volante Elias.

Desde a volta de Dunga ao comando, foram nove vitórias em nove partidas. "A gente vem dando respostas positivas e fazendo grandes jogos. Jogamos contra uma seleção B do México, mas a gente se impôs e fazemos tudo o que vínhamos fazendo", comentou Elias. Antes da vitória por 2 a 0 no último domingo, o Brasil havia jogado em março, quando derrotou a França por 3 a 1 e o Chile por 1 a 0.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.