Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Jogadores da seleção tentam se preservar contra 'excesso' de convidados

Ao todo, são mais de cem pessoas entre familiares e amigos, todas com acesso direto à equipe de Tite

Almir Leite, Ciro Campos e Marcio Dolzan, enviados especiais/Moscou, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 07h34

Na Rússia a regra é equilíbrio para os jogadores da seleção brasileira. A lista cada vez maior de amigos, parentes e convidados presentes aos treinos e participantes do cotidiano da equipe durante a preparação na Copa do Mundo faz os 23 atletas terem o cuidado para aproveitar a companhia na medida certa, sem se deixar atrapalhar pela presença dos entes queridos.

+ Pirulões sérvios serão desafio para a seleção brasileira

+ Motor da seleção, Marcelo concentra jogadas de ataque do Brasil

+ Iniesta diz que Espanha será outra contra a Rússia: 'Tudo se pode melhorar'

Novidade na história da seleção brasileira, a possibilidade de os jogadores contarem com pessoas próximas durante a Copa do Mundo foi ideia do técnico Tite e agradou ao elenco. São mais de cem pessoas convidadas, todas com acesso direto à equipe, ao poderem frequentar o hotel da seleção e contar com um setor exclusivo na arquibancada do campo de treinos em Sochi.

A ligação com os convidados, no entanto, conta com limites criados pelos próprios jogadores. Todos se cuidam para a presença deles não atrapalhar a concentração ou extrapolar o ambiente mais reservado do elenco. "Todos nós aqui somos experientes, sabemos nos cuidar, ter nossos limites", explicou o lateral Marcelo, que trouxe a família e ao fim dos treinos, costuma brincar com o filho, Enzo.

"Nós precisamos entender que vai ter o momento de concentração dos jogadores. Mas só deles saberem que estamos ali perto, que qualquer folga será possível ver a família, é uma tranquilidade. É diferente de estar do outro lado oceano. Só essa proximidade é um conforto muito bom", disse à reportagem a mulher do zagueiro Thiago Silva, Isabele Silva. O marido dela é o mais veterano da seleção quando o assunto é Copa, por disputar pela terceira vez a competição.

 

Os mais de cem convidados pelos jogadores da seleção frequentam o hotel em Sochi, onde está até montada uma brinquedoteca para os filhos, mas pernoitam em outro local, a cerca de 4 km de distância. O grupo viaja também para as partidas da seleção, porém se hospeda em outro hotel, para não atrapalhar o ambiente de concentração.

Dias atrás o atacante Gabriel Jesus precisou avisar um dos seus convidados, que filmou e publicou em rede social parte do treino fechado da seleção brasileira em Sochi. O grupo trazido pelo jogador do Manchester City é um dos mais numerosos e animados. Os amigos costumam jogar futebol no pátio do hotel com outros hóspedes e curtir Sochi ao máximo, com ida a festas, passeios de barco pelo Mar Negro e churrascos.

"Nós, familiares, temos que aproveitar essa oportunidade na Copa. Antes a gente não podia participar muito, mas agora a gente tem mais contato. Tem sido bom para nós e para os jogadores também. A saudade fica menor", afirmou Isabele, mulher do zagueiro Thiago Silva, um que trouxe para Sochi os pais, filhos e amigos.

O grupo de seguidores de Neymar também é bem numeroso. Em Rostov, vans faziam o trajeto do hotel para o estádio para levar os cerca de 20 convidados do atacante. Para o jogo com a Sérvia, em Moscou, nesta quarta, um número ainda maior de pessoas deve estar presente no estádio.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.