Jogadores destacam reação e Luxemburgo reclama do árbitro

A tática suicida de Vanderlei Luxemburgo no segundo tempo, colocando todo o time no ataque em busca de um empate com o maior rival da atualidade, foi apontada pelos próprios jogadores como o principal fator para o Palmeiras se reerguer em campo e chegar à igualdade no placar neste domingo, quando empatou por 2 a 2 com o São Paulo, no Palestra Itália.No fim, o resultado foi muito comemorado. "Depois de estarmos perdendo por 2 a 0, chegar a um empate como esse tem sabor de vitória", disse o lateral-direito Elder Granja. "No intervalo, o Vanderlei lembrou que não haveria outro jogo com o São Paulo e que, se eles ganhassem, nós teríamos que ficar torcendo para os outros tirarem pontos deles. Foi aí que voltamos com tudo para o segundo tempo e chegamos ao empate", emendou o atacante Kleber.Além de parabenizar os jogadores pela virada, o técnico Vanderlei Luxemburgo criticou - e muito - a arbitragem de Salvio Spínola A bronca maior era com a expulsão de Diego Souza logo no início, juntamente com Borges, por causa de uma discussão generalizada no meio-de-campo. "A marcação do pênalti foi perfeita. Mas aquele lance do Diego era para amarelo. Acabei sendo prejudicado, porque tive que queimar uma alteração, com a entrada do Evandro no lugar do Maurício."O pênalti e a expulsão logo no início acabaram com o plano original de Luxemburgo, que contou até com a divulgação de uma escalação falsa. Na primeira relação, constavam os nomes de Martinez e Pierre. Na segunda, apareciam Maurício e Elder Granja. E foi assim que o time entrou em campo. "O Martinez estava sentindo dores na coxa e a gente sabia que, se ele jogasse, ia estourar", disse o preparador físico Antonio Mello.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.