Bruno Cantini / Atlético-MG / Agência Galo
Bruno Cantini / Atlético-MG / Agência Galo

Jogadores do Atlético-MG lamentam empate, mas já projetam trabalhar com Sampaoli

Victor classifica o time como previsível e Ricardo Oliveira define resultado contra o Boa como péssimo

Redação, Estadão Conteúdo

01 de março de 2020 | 22h32

O elenco do Atlético-MG não escondeu a decepção com o empate por 1 a 1 com o Boa, neste domingo, em Varginha. "Péssimo pra gente", disse rapidamente o atacante Ricardo Oliveira. O resultado tirou o Atlético, pela primeira vez, da zona de classificação para as semifinais do Campeonato Mineiro.

"Começamos bem, criamos várias chances, não conseguimos concluir ao gol. No segundo tempo, eles adiantaram a marcação e não conseguimos jogar. Estávamos querendo a bola no pé, mas às vezes tinha que receber no espaço vazio. Agora é trabalhar, tem clássico (contra o Cruzeiro) pela frente", avaliou o zagueiro Gabriel.

Um dos melhores jogadores do Atlético em campo, o goleiro Victor também lamentou o empate. "A gente teve chance de fazer um placar melhor, acabou sentindo o desgaste da viagem, campo molhado, chuva, o próprio momento da temporada que a confiança está fragilizada, com duas eliminações seguidas. Acabamos sendo um time previsível. Agora é procurar aprender com nossos erros", completou.

O tropeço, contudo, não deve desanimar a torcida. Poucas horas antes do jogo, o clube anunciou a contratação do técnico Jorge Sampaoli. Gabriel comemorou a chegada do argentino, que poderá estrear logo em um clássico com o Cruzeiro, sábado que vem, pelo Estadual.

"A expectativa é boa. O Sampaoli é um grande treinador, vencedor, com uma grande filosofia. Temos que evoluir, nossa margem de erro já passou do limite. Não temos mais desculpas para dar", acrescentou o defensor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.