Sergio Moraes / Reuters
Sergio Moraes / Reuters

Jogadores do Botafogo agradecem apoio da torcida e festejam fim de jejum do time

Botafoguenses cantaram música pedindo ao clube que pague os salários atrasados de atletas e funcionários no final do jogo com o Atlético-MG

Redação, Estadão Conteúdo

08 de setembro de 2019 | 19h50

Apesar da semana tensa, com ameaça até de greve por falta de salários, os jogadores do Botafogo deixaram o gramado do Engenhão, nesta tarde de domingo, com a alma lavada após a vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-MG. Após o jogo válido pela 18.ª rodada do Campeonato Brasileiro, o time chegou aos 26 pontos, em décimo lugar, e ganhou o apoio da torcida, que nos minutos finais entoou o seguinte coro: "Ô,ô, ô, paga o salário!".

Quem também saiu de campo feliz com a sua atuação foi o meio-campista Alex Santana, que tem sido muito elogiado por sua boa temporada, além de ter recebido do técnico Eduardo Barroca a camisa 10, outrora usada por grandes craques do clube. Ele marcou um dos gols do jogo e passou a acumular seis no Brasileirão - ele é o artilheiro do time na competição, um à frente de Diego Souza.

"A gente agradece o apoio da torcida, mas o importante era a vitória. A semana foi conturbada, mas saímos de campo com a vitória. Vencer era o principal objetivo do nosso time, porque a gente vinha de um empate e uma derrota e teríamos que somar pontos", afirmou Alex Santana, eleito o melhor em campo, que depois explicou como foi o lance do segundo gol. "Um contra-ataque em que fui lançado e quando vi a bola na minha frente Du sabia que ninguém me alcançaria. Depois, graças a Deus, consegui bater cruzado e fazer o gol", reforçou.

O atacante Diego Souza foi substituído na parte final do jogo, mas saiu bastante aplaudido pelos pouco mais de 12 mil torcedores que foram ao Engenhão. "Independentemente de o nosso time ter jogado o segundo tempo com um jogador a mais - pela expulsão de Igor Rabello -, acho que merecemos a vitória. Marcamos bem e todos correram muito. Espero que esta vitória nos dê um pouco de tranquilidade para seguir trabalhando", disse.

Para Marcinho, as declarações durante a semana de protesto contra a falta de salários feita pelos companheiros Gabriel, João Paulo e Joel Carli não atrapalham em nada. "Mesmo porque eles só falaram a verdade. Nós todos estamos preocupados com a falta de pagamento, mas esperamos que a diretoria resolva isso de alguma forma. Vamos continuar correndo e dando o sangue do mesmo jeito, independente de dinheiro ou não, porque temos um nome a zelar e pela própria tradição do Botafogo", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.