Eduardo Nicolau/AE
Eduardo Nicolau/AE

Jogadores do Corinthians ainda acreditam em título brasileiro

Chicão e William não desistiram da conquista da Série A; técnico quer esperar mais para mudar discurso

Alex Sabino, Jornal da Tarde

17 de agosto de 2009 | 09h38

A vitória sobre o Atlético-MG não representou apenas a reabilitação para o Corinthians. Depois do 2 a 0 de domingo, no Pacaembu, já há jogador sonhando com voos bem mais altos para o segundo turno do Campeonato Brasileiro. "Havia gente falando que tínhamos de escapar do rebaixamento. Mas não é nada disso. A gente ainda acredita no título", diz Chicão, capitão da equipe após William ter sido substituído por Jean.

Veja também:

link Mano Menezes elogia garra do time corintiano

link Com lesão na coxa, Edu será o desfalque

link JOGO - Leia como foi Corinthians 2x0 Atlético-MG

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O time alvinegro estava há cinco jogos sem vencer, período em que fez apenas um gol. É por isso que o placar foi tão comemorado. "É um resultado que passa tranquilidade para os mais jovens. Agora acho que a meta passou a ser somar mais pontos no segundo turno do que no primeiro. Quanto vai ser e onde vai nos levar, é uma incógnita", completa o zagueiro William.

A vitória foi considerada importante também porque o adversário estava dentro do G-4 e tem pretensões de título. Mas ninguém citou o fato de o Atlético-MG ter entrado em campo sem seis titulares.

William, por exemplo, preferiu ressaltar outro detalhe da campanha. "A gente precisa recordar que jogamos algumas partidas com time misto", afirma, lembrando o período em que o Corinthians disputava as fases finais da Copa do Brasil.

Mano Menezes, que há duas semanas descartou a possibilidade da equipe chegar ao título, não quis fazer nova previsão sobre o futuro. Para o técnico, bom mesmo é correr por fora.

"Neste momento, não temos de falar em título. Não seria inteligente. Vamos deixar o abacaxi para outras equipes que têm essa responsabilidade. Você ser o alvo é mais desgastante. Se poderemos voltar a falar em título, o nosso desempenho vai mostrar. Gostei das vozes que surgiram no meu grupo. De repente podemos falar mais adiante uma outra coisa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.