José Patrício/AE
José Patrício/AE

Jogadores do Corinthians criticam faltas do São Paulo

Após vitória por 3 a 1, corintianos afirmam que árbitro foi muito condescendente com violência do adversário

Agencia Estado

21 de junho de 2009 | 21h43

O zagueiro e capitão William saiu de campo satisfeito com a vitória do Corinthians sobre o São Paulo neste domingo, mas reclamou das jogadas violentas do rival. A partida foi marcada por um início de tumulto entre os jogadores no segundo tempo, que não gerou maiores consequências.

Veja também:

linkCorinthians vence clássico e aumenta a crise no São Paulo

lista Baixe o papel de parede dos mascotes do Brasileirão

especialVisite o canal especial do Brasileirão

especialJogue o Desafio dos Craques

lista Brasileirão - Calendário

tabela Brasileirão - Classificação

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"O juiz foi muito condescendente com a violência do adversário. A gente só quer que o juiz apite o que manda a regra", criticou William, sobre as faltas duras cometidas pelo São Paulo. O árbitro Marcelo de Lima Henrique evitou cartões vermelhos, inclusive no tumulto, que quase degenerou em briga coletiva.

O meia Elias também criticou o excesso de faltas do rival. "Alguns jogadores estão desequilibrados emocionalmente e entraram querendo bater", alfinetou. "A gente esperava isso, mas tem que trabalhar forte. Em nenhum momento fomos desleais como os adversários".

Apesar das faltas, Elias destacou a marcação do Corinthians, que só vacilou no gol de honra do São Paulo, no final do segundo tempo. "A gente joga duro e marca forte. É o fator principal da nossa equipe", apontou. "Entramos empenhados para a vitória e isso nos dá muita moral para o Campeonato e para a Copa do Brasil".

Chicão, autor do segundo gol corintiano, também gostou da apresentação corintiana. "Estou feliz pela equipe ter jogado bem e ter trabalhado bem a bola, mas tenho consciência de que a gente poderia até ter feito mais, com todo respeito ao time do São Paulo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.