Ricardo Duarte/Inter
Ricardo Duarte/Inter

Jogadores do Inter assumem culpa por jejum no Gaúcho e evitam falar em crise

Colorado volta a tropeçar no Estadual com empate por 1 a 1 diante do Veranópolis, fora de casa

Redação, Estadão Conteúdo

30 Janeiro 2019 | 22h21

Após três jogos seguidos sem vencer, os jogadores do Internacional assumiram a responsabilidade pela sequência ruim neste início de Campeonato Gaúcho. O empate por 1 a 1 com o Veranópolis, nesta quarta-feira, deixou o time colorado com apenas três pontos. Rafael Sóbis, que perdeu um pênalti, assumiu a culpa pelo resultado. Já Edenilson avisou que não se deve falar em crise neste momento.

O Inter já vencia o jogo por 1 a 0, com gol de Nico López, quando Rafael Sóbis teve a chance de matar o jogo numa penalidade máxima, aos 34 minutos. Ele chutou forte, no centro do gol, mas o goleiro Reinaldo rebateu. Na sobra, de virada, o próprio Sóbis acertou o travessão e a bola acabou aliviada pela defesa.

Sóbis confirmou que é o responsável pelas bolas paradas, inclusive pênalti, na ausência do meia D'Alessandro. "Errei e isso custou a nossa derrota. Não se trata de jogar bem ou jogar mal, mas é hora de trabalhar, trabalhar e trabalhar. Devemos abaixar a cabeça e aceitar as críticas", ponderou Sóbis, lembrando que está vindo de uma longa parada e se trata de início de temporada. Este foi o segundo pênalti perdido por ele em sua carreira.

O goleiro Marcelo Lomba foi claro: "Temos que assumir a responsabilidade, porque deveríamos ter matado o jogo e não fizemos". Já o volante Edenilson afirmou que "nós levamos o gol na hora errada, porque foi a única chance deles". "Mas é sem crise agora. Vamos melhorar", completou o jogador.

A preocupação fora de campo era com o atacante Willian Pottker, que levou uma cotovelada e sofreu uma fratura no nariz. No lance, Caio, do Veranópolis, foi expulso. Mesmo com um jogador a mais em campo, o Inter não soube aproveitar a chance e vencer. Pottker vai ser baixa para os próximos jogos.

O técnico Odair Hellmmann, após o jogo, ficou muito tempo fora do estádio conversando com os dirigentes. Agora ele vai ter um bom tempo para acertar o time, que só volta a campo na próxima segunda-feira, dia 4, às 20h40, diante do Brasil de Pelotas, no Beira-Rio.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.