Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Jogadores do México saem em defesa de Osorio após vitória: 'Ele é um gênio'

Miguel Layun e Jonathan Dos Santos exaltaram treinador e falaram em 'fazer história' na Rússia

Glauco de Pierri, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2018 | 06h34

Menos de 24 horas depois de ter conquistado um dos resultados mais importantes de sua história, a vitória sobre a Alemanha por 1 a 0 pela primeira rodada da Copa do Mundo, a seleção do México voltou aos treinamentos, já na preparação para a partida contra a Coreia do Sul, sábado, dia 23, às 12h, em Rostov.

+ Médico da seleção da Dinamarca diz que Kvist tem pequena chance de voltar à Copa

+ Portugal estuda duas opções para parceria com Cristiano Ronaldo

+ Islândia presta homenagem a goleiro da Nigéria diagnosticado com leucemia

Antes do trabalho em campo começar, Miguel Layun e Jonathan Dos Santos, falaram com os jornalistas em entrevista coletiva realizada em Novogorosk, o centro de treinamento do Dínamo de Moscou. O tema da conversa girou em torno do grupo "fazer história" no mundial da Rússia, além de muitos elogios (e defesa) do trabalho do treinador da equipe, o colombiano Juan Carlos Osorio, muito criticado antes do início do torneio por boa parte da imprensa e da torcida do país.

Layun foi um dos jogadores mais elogiados por Osorio após o triunfo contra a Alemanha. Ele começou a entrevista explicando um pouco, em sua visão, os méritos de sua equipe no jogo contra os campeões mundiais de 2014.

"Taticamente, jogamos no esquema 4-2-1-3. O 'mister' (Osorio) leva muito tempo fazendo suas análises. Então, sabíamos que teríamos a possibilidade dos contra-ataques. Foi uma excelente apresentação", afirmou o meio-campista. "Foi uma vitória histórica. Porém, não queremos ficar apenas nisto."

 

"Nós passamos por muitas adversidades. Ontem (domingo) demos um grande passo, porém, tomara que isso nos sirva para saber que podemos enfrentar de igual para igual todos os rivais", afirmou Layun.

Jonathan foi pelo mesmo caminho. "O mais importante é que quem entre em campo jogue bem. Mais do que uma equipe, nós somos uma família. Estamos todos felizes por começar a Copa com o pé direito", disse.

Layun ainda aproveitou a entrevista para agradecer o imenso apoio da torcida no estádio Luzhniki - dos mais de 78 mil torcedores presentes no estádio em Moscou, pelo menos 50 mil estavam torcendo para o México. "Ter todo esse apoio tão longe de casa não é nada fácil. Quero agradecer a todos. Até as mensagens de apoio que recebemos são importantes para a gente", revelou.

Os dois jogadores saíram em defesa do treinador colombiano, que teve seu trabalho contestado por muita gente dentro do próprio país. "Nunca entendi as críticas ao Mister. Ele é uma pessoa que se entrega de corpo e alma para a equipe. Ele está tão feliz como nós, porém, já está pensando no próximo jogo. Para mim, ele é um gênio", comentou Layun.

Jonathan disse ainda que todos no elenco "estão felizes pelo 'Profe' (outro apelido de Osorio, esse desde os tempos em que era técnico do Atlético Nacional de Medellín, da Colômbia)". "Ele é um dos que mais merecem essa vitória."

Para Layun, o importante é a forma como o grupo está encarando o Mundial. "Eu acredito que a palavra mais relevante é consciência. Consciência do que queremos e ir somente caminhando nesta direção e ver o que acontece. Temos uma grande possibilidade diante da gente, acho que podemos fazer uma bonita história aqui na Copa da Rússia", finalizou o jogador.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.