Jorge Adorno/Reuters
Jorge Adorno/Reuters

Jogadores do Independente de Santa Fé são investigados por abuso sexual

Seis atletas da equipe teriam abusado sexualmente de uma mulher em uma festa do clube

O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2017 | 00h58

BOGOTÁ - Vários jogadores e ex-jogadores do Independente de Santa Fé de Bogotá estão sendo investigados pela suposta responsabilidade em um caso de abuso sexual de uma mulher, informou a procuradoria da Colômbia na sexta-feira, 14. O caso ocorreu entre 31 de janeiro e 1 de fevereiro de 2017 em uma festa do clube em um hotel no norte da capital colombiana.  

"A investigação vai determinar a existência dos delitos de ato sexual e o grau de responsabilidade dos jogadores", diz o comunicado da justiça. 

O caso foi denunciado na sexta pelo jornal El Espectador. Segundo a publicação, os jogadores comemoravam a vitória contra o Independente de Medellín pelo campeonato colombiano e teriam abusado de uma mulher de identidade desconhecida. 

São seis os envolvidos na questão e três já deixaram a equipe. Os nomes não foram revelados.

A Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres) manifestou "enorme preocupação" com a denúncia.  "A violência contra as mulheres nunca é tolerável e deve ser rechaçada publicamente", afirmou a instituição em um boletim, pedindo que os clubes não tratem o tema como "assuntos privados" dos jogadores. 

O clube informou em comunicado que desconhece "oficialmente" os fatos e que condena qualquer ação fora da lei que uma pessoa vinculada à instituição venha a cometer. "Apoiamos as investigações e vamos respeitar as decisões", diz o comunicado da equipe. 

O Santa Fé venceu o campeonato colombiano em nove ocasiões e levantou a Copa Sul-Americana em 2015. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Futebol InternacionalColômbiaFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.