Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Jogadores do São Paulo admitem vergonha por derrota histórica

Goleada do Corinthians faz elenco reconhecer frustração

O Estado de S. Paulo

23 Novembro 2015 | 07h00

Os jogadores do São Paulo resumiram em "vergonha" o sentimento depois da derrota por 6 a 1 para o Corinthians, neste domingo, no Itaquerão, pelo Campeonato Brasileiro. Os poucos atletas que concederam entrevista na saída do estádio admitiram o impacto do vexame no elenco e falaram que será preciso esquecer o ocorrido para não se abalar na reta final da competição.

"Frustração. Não tem outra palavra. Temos de pedir desculpas aos torcedores. Sabemos da responsabilidade de vestir a camisa do São Paulo. Em um clássico, almejando Libertadores, perder da maneira que perdemos é frustrante", disse o meia Michel Bastos. A derrota foi a maior na história do clássico e se deu justamente para a equipe reserva do já campeão brasileiro Corinthians.

Pela nona vez em 14 clássicos na temporada o São Paulo saiu derrotado. "Ficamos envergonhados pela forma como foi. Infelizmente, tomamos três gols que decidiram a partida, em três bolas paradas. Ficamos muito tristes pela derrota. Estamos brigando diretamente pela vaga no G-4", comentou o zagueiro Rodrigo Caio. A equipe levou três gols de bola parada ainda no primeiro tempo e não teve forças para reagir.

Mesmo com a derrota a equipe manteve o quarto lugar na tabela. "Não é o momento de procurar culpados. Todos nós somos. Eu e todos nós temos de assumir a responsabilidade. Eu assumo, como todos. Só peço desculpas ao torcedor e peço para que acreditem ainda nesses últimos dois jogos para conseguirmos uma vaga na Libertadores e jogar uma grande competição em 2016", afirmou Michel Bastos.

Nos dois últimos jogos o São Paulo tem pela frente o Figueirense, no Morumbi, e o Goiás, fora de casa. O time só depende dos próprios resultados para garantir vaga na Libertadores do ano que vem. "Não tem de achar um culpado. É a equipe toda", disse o lateral-esquerdo Carlinhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.