André Penner/AP
André Penner/AP

Jogadores do São Paulo reclamam do período sem partidas

'O que faz a diferença é o jogo, que dá moral e eleva o ambiente', discursa o meio-campo Hernanes

Vítor Marques, Jornal da Tarde

24 de abril de 2009 | 12h05

A eliminação do Campeonato Paulista e os 14 dias sem jogos até a estreia nas oitavas-de-final da Copa Libertadores incomodam bastante os jogadores do São Paulo. Nesta sexta, o assunto ainda foi o principal tema das entrevistas. O volante Hernanes, um dos destaques da temporada, admite o incômodo com a situação, ao contrário do técnico Muricy Ramalho, que aprova a folga.

Veja também:

tabela Copa Libertadores - Calendário / Resultados

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"É bom treinar, mas o que faz a diferença é o jogo, que dá moral e eleva o ambiente. Se não vencêssemos o jogo de quarta, os treinos não seriam bons", cita o jogador, lembrando da vitória por 2 a 1 do América de Cali, e reforçando o sentimento de alívio com o resultado, pelo bem que fez para os próximos dias.

Outro que lamenta é o goleiro Bosco. Para ele, que atua numa posição onde pouco se pega na bola numa partida e que está atuando a pouco tempo - devido à contusão de Rogério Ceni, há uma semana - o ideal era mesmo ter jogo. "Claro que para os atletas de linha é importante esses 14 dias, no meu caso era melhor jogar. Mas terei treinos específicos e tentarei aproveitar esse período. Tomara que no próximo jogo esteja com 100% de ritmo".

COMPARAÇÃO

Outro tema que deixa Bosco incomodado é uma comparação sobre sua atuação na derrota por 2 a 1 para o Corinthians em relação a Ceni, principalmente sobre como seria a atuação do capitão lesionado no lance do gol marcado por Ronaldo, onde talvez o titular tivesse maior chance de evitá-lo por jogar mais adiantado.

"Não dá para fazer esse tipo de comparação. E não vamos pescar o que está no mar do esquecimento", discursa. "Espero entregar (nesses 4 meses) com o título da Libertadores", emenda Bosco.

RECUPERAÇÃO

Com o tempo livre para treinos, o técnico Muricy Ramalho manteve sua rotina de recuperação do grupo de jogadores. Fez apenas meia hora de trabalho com os titulares, fechado para os jornalistas, e depois comandou os reservas. No período da tarde o time treina novamente no CCT da Barra Funda, mas ninguém terá acesso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.