Alex SIlva/AE
Alex SIlva/AE

Jogadores e técnicos não acreditam em jogos 'entregados' no Brasileirão

Muricy Ramalho descarta corpo mole de Palmeiras e São Paulo e fala das dificuldades em 2010

ANDRÉ RIGUE e RAFAEL VERGUEIRO, estadão.com.br

29 de novembro de 2010 | 10h01

SÃO PAULO - Diante dos microfones, jogadores e técnicos têm evitado afirmar que seus times tenham facilitado jogos no Campeonato Brasileiro para prejudicar os rivais. O técnico Muricy Ramalho, que está perto de levar o Fluminense ao título depois de 26 anos, afirmou após a vitória sobre o Palmeiras que não teme que a conquista da taça fique manchada pela polêmica do "entrega", assim como o título de 2005 do Corinthians, que ficou marcado pelos escândalos de arbitragem.

Veja também:

linkFluminense aproveita ‘moleza’ do Palmeiras e mantém liderança 

linkCorinthians bate o Vasco por 2 a 0, mas depende do Guarani para ser campeão

BRASILEIRÃO - tabela Classificação listaResultados

especial Simulador do Brasileirão

A polêmica começou no jogo entre São Paulo e Fluminense, há duas semanas, em Barueri, que terminou com vitória do tricolor das Laranjeiras por 4 a 1. A torcida são-paulina comemorou os gols do rival carioca. O mesmo fizeram os torcedores do Palmeiras neste domingo, que criticaram jogadores e chegaram a ameaçar Deola na partida contra o Fluminense. O goleiro foi várias vezes xingado por membros de torcidas organizadas ao defender os chutes dos atacantes do Fluminense.

Muricy preferiu não polemizar, mas disse que o título do Fluminense ficaria marcado pelo trabalho, e não pela polêmica do "entrega". Além disso, ele falou sobre o comportamento dos torcedores. "Temos de respeitar a torcida, pois isso faz parte da rivalidade. Os torcedores fazem parte do espetáculo. Mas não teve essa história de facilitar não. O Palmeiras jogou com força máxima, foi muito complicado e o Deola pegou muito, por exemplo. Vai ser a mesma coisa diante do Guarani. Não tem moleza nessa história não."

A polêmica do "entrega" também chegou ao Corinthians. O clube alvinegro reclamou das posturas dos rivais. "É muito triste, como o Deola, que faz seu papel e é agredido pelos próprios torcedores, por estar defendendo", afirma o zagueiro William, que se aposentará ao final do Campeonato Brasileiro. "Agredir sua equipe porque ele está fazendo o papel dele. A gente sabia que, se dependesse dos nossos rivais regionais, não iria conseguir nada", completou o jogador corintiano.

O Corinthians também teria sido um dos "favorecidos". Torcedores do Fluminense acreditam que o time cruzmaltino facilitou a vida do rival corintiano no jogo no Pacaembu. O técnico Tite, porém, afirmou que o rival ofereceu dificuldades e que seu time passou por maus momentos. "Entramos pressionados e tivemos muitos erros de passe. O time sofreu de ansiedade. Mas tenho orgulho de chegar num momento importante, decisivo. Quero ter um padrão melhor do que do início do jogo [contra o Goiás]."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.