Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Jogadores já sabem, mas Rueda faz mistério sobre goleiro do Flamengo na Colômbia

Técnico colombiano não revela quem vai atuar na meta do rubro-negro diante do Junior Barranquilla

Estadão Conteúdo

29 Novembro 2017 | 23h22

Os jogadores do Flamengo realizaram na noite desta quarta-feira, no estádio Metropolitano Roberto Meléndez, em Barranquilla, na Colômbia, o treinamento de reconhecimento de gramado para a partida desta quinta contra o Junior Barranquilla, pela rodada de volta das semifinais da Copa Sul-Americana. Com a atividade no mesmo horário do jogo, às 22h30 (de Brasília), todos procuraram se ambientar com o local e o forte calor que faz na cidade.

+ Guerrero chega à Suíça para acompanhar julgamento na Fifa por suspeita de doping

+ Independiente faz 3 a 1 no Libertad e avança à final da Copa Sul-Americana

Na entrevista coletiva logo após o treinamento, o técnico colombiano Reinaldo Rueda foi logo perguntado sobre quem começará a partida no gol rubro-negro. Muito criticado pela torcida por causa de más atuações, Alex Muralha pode perder o lugar para César, que não faz um jogo oficial há quase um ano. O titular Diego Alves se lesionou no jogo de ida, na semana passada, e só voltará a atuar em 2018.

"Vocês sabem que a escalação vai sair amanhã (quinta-feira), com a equipe. Creio que não vai ter surpresa. Temos uma equipe que está jogando bem contra Junior, contra o Santos (no último domingo), creio que não vai haver nenhuma surpresa", avisou Reinaldo Rueda, que já avisou os jogadores sobre quem será o escolhido.

"Sempre falamos, ainda ontem (terça-feira) pela manhã, antes da viagem trabalhamos no treinamento. Hoje (quarta), pela tarde, fizemos parte estratégica, vimos vídeos do Junior. Fizemos a análise do comportamento do rival, o mandante aqui. Os jogadores já sabem a escalação que vai jogar amanhã (quinta)", afirmou o treinador rubro-negro.

Bombardeado com perguntas sobre o assunto, Reinaldo Rueda preferiu não tomar partido sobre Alex Muralha ou César e elogiou os dois. "Creio que o caso do Muralha é um caso isolado de uma decisão errada em um momento preciso do jogo, mas são goleiros que trabalham muito bem. Tanto a tática individual quanto a tática da equipe. São jogadores que trabalham muito bem e têm excelentes condições. Sabemos o momento que cada um vive. Não é fácil porque estávamos com o Diego Alves. Com continuidade. Hoje nenhum goleiro tem essa quantidade de jogos (que o Diego Alves)", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.