Fernando Bizerra Jr/EFE
Fernando Bizerra Jr/EFE

Jogadores lamentam gols perdidos em empate

Brasileiros queriam devolver à torcida o carinho que receberam na passagem da seleção por Mato Grosso do Sul

Amanda Romanelli e Marcius Azevedo, Agencia Estado

14 de outubro de 2009 | 22h31

O desespero de Kaká ao ver a bola bater na trave, caminhar pela linha do gol e sair resumiu muito bem o sentimento dos jogadores da seleção brasileira após o empate por 0 a 0 com a Venezuela. O Brasil até fez uma boa partida no Morenão, em Campo Grande, mas não conseguiu devolver à torcida todo o calor humano que recebeu na passagem pelo Mato Grosso do Sul.

Veja também:

linkJOGO - Leia como foi Brasil 0 X 0 Venezuela

especialMAPA - Os países que já garantiram vaga na Copa

Eliminatórias da Copa - tabela Classificação | lista Tabela 

especial ELIMINATÓRIAS - Mais no canal especial

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Foi um pecado, uma pena. Era o último lance das Eliminatórias. Poderíamos encerrar com uma vitória", lamentou o camisa 10, que colocou as mãos na cabeça após o gol perdido. "A gente queria muito ganhar aqui, mas o importante é que criamos muitas chances, não foi um 0 a 0 como contra Colômbia e Bolívia", disse, referindo-se aos empates no Maracanã e no Engenhão, respectivamente. "Basta observar o comportamento da torcida, que aplaudiu o time".

O atacante Luís Fabiano acompanhou o discurso de Kaká. "Perdemos muitas chances, tivemos três bolas na trave, foi um pouco de azar. Mas saímos daqui de cabeça erguida pelas Eliminatórias que fizemos".

O camisa 9 também deixou o Morenão sem conseguir ser o goleador máximo do torneio classificatório. O chileno Suazo marcou na vitória sobre o Equador e chegou aos 10 gols. O brasileiro ficou com nove. "Com certeza eu gostaria de terminar de outra maneira. A Eliminatória é competição difícil e eu poderia ter terminado como artilheiro. Não foi possível, mas o importante é ter classificado. Agora é recomeçar para fazer uma boa Copa. É uma nova etapa, um novo trabalho".

Outro que mostrou um pouco decepção pelo resultado foi goleiro Júlio César. Seguro quando exigido, o camisa 1 se recuperou da pífia atuação na Bolívia, quando falhou nos dois gols na derrota por 2 a 1. "O torcedor lotou o estádio, mas o Brasil não fez o esperado. Por isso, quis agradecê-los", afirmou o goleiro. "A gente queria encerrar com uma vitória, mas o importante é que fizemos uma ótima Eliminatórias".

O zagueiro Miranda concordou com o grupo. "Fizemos um bom jogo". Só não gostou da atuação do árbitro Victor Carrillo. O peruano expulsou o são-paulino no segundo tempo por agressão. "Ele se equivocou. Foi uma disputa normal e o cara encenou", explicou.

Dunga concordou. Tanto que no momento em que Miranda deixava o campo após ser expulso foi cumprimentado pelo treinador. A torcida também gritou o seu nome e passou a ofender o árbitro. "O Dunga sabe que o árbitro exagerou. Estou tranquilo", disse, sem se preocupar em perder espaço na seleção, já que, se for convocado para a Copa do Mundo, não poderá jogar na partida de estreia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.