Jogadores se dividem no apoio a Dida

Nem todos os jogadores e integrantes da comissão técnica da seleção manifestaram solidariedade a Dida, suspenso por um ano pela Federação Italiana por uso de passaporte falso. Um dos mais enfáticos a seu favor foi o atacante Élber, que atribuiu o problema a má-fé de algum empresário desqualificado. "Tinha de se descobrir quem fez isso, foi uma maldade." O atacante Romário destoou dos demais e comentou que não havia nada a dizer. "Eu atuo no Brasil, quem tem de falar são os jogadores que pertencem a clubes europeus." O zagueiro Roque Júnior também não emitiu opinião sobre o caso. "Não tenho nada a falar sobre passaportes." Rivaldo preferiu fazer uma análise mais detalhada do problema e afirmou que o jogador de futebol precisa ter bastante atenção na hora de assinar documentos. "Jamais ia facilitar alguém para que isso acontecesse." Para o meia Emerson, Dida foi enganado. "Ele é inocente nessa história, posso assegurar." O lateral Cafu também não quis se estender sobre a punição do goleiro. "Falei que ele devia levantar a cabeça, que é novo ainda." Roberto carlos foi outro que preferiu atacar os empresários. "Na maioria das vezes, o jogador não é culpado. Os empresários e alguns advogados têm usado a imagem dos atletas; tem de perguntar a esses caras; não são eles que agilizam passaportes, documentos?"

Agencia Estado,

27 de junho de 2001 | 19h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.