Andy Rain/EFE
Andy Rain/EFE

'Jogar na retranca no Camp Nou vai ser suicídio', avisa Fábregas

Após 1 a 1 em Londres, time catalão joga pelo empate sem gols para obter vaga nas quartas da Liga dos Campeões

O Estado de S. Paulo

20 Fevereiro 2018 | 22h40

Formado nas categorias de base e com quatro temporadas no time do Barcelona, Cesc Fábregas sabe muito bem o que seus companheiros de Chelsea vão encontrar no jogo de volta das oitavas de final da Liga dos Campeões, dia 14 de março. "Vamos ter de atuar no ataque e não podemos esperar por eles em nosso campo. Jogar na retranca vai ser um suicídio", disse o volante do Chelsea, após o empate por 1 a 1, nesta terça-feira, em Londres, no Stanford Bridge, diante de 37.741 espectadores.

+ Willian brilha, mas Messi desencanta e Chelsea e Barcelona empatam em Londres

+ Com um a mais, Bayern passeia contra Besiktas e encaminha vaga às quartas

+ Pogba e Valencia retornam ao Manchester United em duelo pela Liga dos Campeões

Pedro, outro que tem raízes na capital da Catalunha, prevê dificuldades para obter a vaga nas quartas de final. "Uma pena o erro que cometemos, porque o resultado estava muito bons para nós. Agora vai ser complicado em Barcelona."

O técnico Antonio Conte tentou manter alto o entusiasmo de seus jogadores. "Estivemos muito perto de uma partida perfeita. Não se pode cometer um erro como o que cometemos diante de um time que tem Messi, Iniesta e Suárez. Estamos um pouco decepcionados com o resultado, mas, ao mesmo tempo, ganhamos confiança para o segundo jogo. Acho que poderemos obter um resultado extraordinário em Barcelona."

Já o lateral-direito Marcelo Alonso demonstrou abatimento ao prever como será o segundo duelo: "O favorito é o Barcelona."

Do lado do Barcelona, Suárez destacou o fato de ter feito um gol na casa do adversário. "No Camp Nou teremos mais espaço para jogar", disse o atacante uruguaio, sem considerar os 68% de posse de bola do time espanhol. Iniesta concordou com o companheiro. "O segundo jogo será totalmente diferente."

O meia Ivan Rakitic achou o resultado injusto. "O Chelsea teve muita sorte. Deram três disparos. Dois foram na trave e outros entrou. Nós tivemos o domínio do jogo e o gol acabou nos dando uma vantagem importante para o jogo de volta."

O técnico Ernesto Valverde foi outro que estava feliz com o resultado. "Buscamos o gol sempre. No segundo tempo faltou uma chance mais clara, mas não desistimos e conseguimos o empate, que é um bom placar que levamos para casa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.