Reprodução/DAZN
Reprodução/DAZN

Jogo da Série C termina em confusão e polícia usa até spray de pimenta; veja vídeo

Comandante do policiamento alega que foi necessário usar da força; Treze-PB afirma que jogadores revidaram uma agressão

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2020 | 11h07

O empate entre Manaus e Treze-PB por 1 a 1, na Arena Amazônia, pela Série C do Campeonato Brasileiro, terminou em confusão, na última segunda-feira. Os jogadores da equipe paraibana foram reclamar com o árbitro Ilbert Estevam da Silva quando Matheusinho, aos 52 minutos do segundo tempo, igualou o placar, e, após um longo bate-boca por causa de um possível impedimento, o batalhão de choque entrou em campo para intervir e se iniciou uma briga generalizada.

Nas imagens é possível ver o policiamento agredindo os jogadores com cassetete e, na sequência, utilizando spray de pimenta. O goleiro Andrey, bastante exaltado empurra e dá socos nos policiais, que se protegem com escudos. 

Segundo o clube, ele estava apenas revidando uma agressão. Um vídeo foi publicado no Twitter para defendê-lo. "O Treze Futebol Clube lamenta profundamente as inverdades que estão sendo veiculadas sobre o atleta Andrey. Nosso atleta não agrediu o policial, mas sim revidou a agressão sofrida sem motivos. O problema não era com a PM, mas sim com a arbitragem."

"Reforçamos que o Treze Futebol Clube não partilha de agressões e reprime a violência! A ideia do clube é não impulsionar atitudes deste tipo, e lamentamos profundamente a postura da Polícia Militar presente no local", completou.

O zagueiro Breno Calixto também publicou um vídeo nas redes sociais com imagens do resultado das agressões, com imagens dos companheiros com os braços vermelhos pelas pancadas de cassetete.

"O que aconteceu hoje (ontem) aqui na arena foi inadmissível pelo lado da arbitragem e pelo lado da polícia como sempre despreparada nos campos de futebol. Foi vergonhoso, levamos cacetada e spray de pimenta na cara por reclamar do juiz", escreveu o jogador.

"Isso é reflexo do nosso Brasil com a polícia despreparada que temos. Eles em nenhum momento pediram para os jogadores se afastarem. Já foram soltando o spray de pimenta e o cassetete. Vergonha o que estão fazendo com o Treze", acrescentou.

A confusão foi relatada pelo árbitro na súmula. "Os jogadores da equipe do Treze correram em direção do assistente, reclamando de forma acintosa. Informo que tais reclamações persistiram, sendo necessário a entrada do policiamento. Houve um conflito dos jogadores com o policiamento, que utilizou, escudo, cassetete e spray de pimenta, atingindo alguns jogadores da referida equipe", escreveu Ilbert Estevam da Silva.

O árbitro relatou ainda que reuniu os dois times e tentou dar sequência na partida, mas, segundo ele, Breno Calixto informou que 70% da equipe não tinha condições de jogar por causa do spray de pimenta utilizado pelo policiamento. "Decidi pelo término antecipado da partida", explicou.

Ilbert Estevam da Silva ainda citou que nos vestiários o comandante do policiamento do jogo, o tenente Cesar de Morais, "relatou com palavras e nos apresentou imagens pelo aparelho celular, mostrando a necessidade do uso de força com cassetete e spray de pimenta, para conter os jogadores" e "nas imagens identificamos que o jogador Andrey foi em direção ao policiamento, atingido o escudo com chute e soco."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.