'Jogo de compadres' na A-2 será julgado na segunda-feira

Mogi Mirim e Oeste podem ser punidos pelo TJD e perder a vaga na elite do Campeonato Paulista

Agência Estado,

15 de maio de 2008 | 19h26

O Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) de São Paulo marcou para a próxima segunda-feira o julgamento do caso do "jogo de compadres" entre Mogi Mirim e Oeste, pela última rodada da segunda fase da Série A-2. A decisão pode desclassificar as duas equipes da competição e dar o acesso para a elite a Atlético Sorocaba e São Bento, que entraram com o pedido de impugnação da partida. Na manhã desta quinta-feira, a equipe de esportes da Bandsports, que transmitiu o empate sem gols entre Mogi e Oeste, há duas semanas, não compareceu para depor. Até agora, a única testemunha foi o árbitro Guilherme Cereta de Lima. Ele confirmou que, a partir da metade do segundo tempo, o jogo caiu de rendimento, mas não acusou nenhuma das duas equipes de armação. Posição diferente é a do presidente do São Bento, David Ferrari Júnior. "Existia uma combinação do resultado entre jogadores, técnicos e até as diretorias. O empate beneficiava Mogi e Oeste e prejudicava São Bento e Atlético. Foi isso que aconteceu. Foi tudo armado", afirmou o dirigente do clube sorocabano, um dos prejudicados pelo empate sem gols. O São Bento, porém, não fez sua parte na rodada final. Perdeu o dérbi sorocabano para o rival Atlético por 1 a 0, e terminou na lanterna do Grupo 3, com sete pontos, assim como o adversário - se tivesse vencido, chegaria a 10 pontos e conseguiria o acesso. Foi justamente a notícia do gol do Atlético, aliás, que teria provocado o início da "marmelada", segundo os sorocabanos. Graças ao empate, o Mogi chegou aos oito pontos, ficando na segunda colocação e garantindo o acesso. O Oeste foi o campeão da chave, com 11 pontos, e vai decidir o título da temporada contra o Santo André, em dois jogos, que tiveram sua data adiada enquanto o imbróglio judicial não for definido.

Tudo o que sabemos sobre:
Paulistão Série A-2Mogi MirimOeste

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.