Jogo festivo de Zico homenageará Chapecoense e promete nomes do Atlético Nacional

Partida está marcada para o próximo dia 28, no Maracanã

Estadão Conteúdo

08 de dezembro de 2016 | 15h48

O tradicional Jogo das Estrelas, organizado anualmente por Zico no Maracanã, terá a sua 13ª edição no próximo dia 28, quando o futebol mundial estará prestes a encerrar um ano que ficou marcado pela fatídica tragédia envolvendo a Chapecoense. Dentro deste contexto, a organização do grande evento, que costuma contar com ótimo público no maior estádio do País, confirmou oficialmente nesta quinta-feira que fará uma homenagem ao clube e às 71 vítimas do acidente aéreo ocorrido no último dia 29 de novembro, perto do aeroporto de Medellín, na Colômbia, para onde a equipe iria para disputar o jogo de ida da final da Copa Sul-Americana.

O evento, de caráter beneficente, contará também com a presença de representantes do Atlético Nacional, que seria o rival da Chapecoense na decisão da competição continental e fez uma série de belas homenagens às vítimas na semana passada.

As informações foram divulgadas nesta quinta-feira pelo Grupo Bradesco Seguros, que é patrocinador do Jogo das Estrelas. Não foram informados, porém, quais seriam estes representantes do Atlético Nacional, que neste final do ano está envolvido na disputa do Mundial de Clubes da Fifa, no qual irá estrear na próxima quarta-feira, no Japão.

Hoje técnico do FC Goa, time do futebol indiano, Zico lamentou a tragédia envolvendo os membros da Chapecoense, entre jogadores, comissão técnicas e dirigentes, além de 20 profissionais de imprensa e tripulantes do voo. O ídolo histórico do futebol brasileiro ressaltou a importância de homenagear as vítimas deste trágico acidente e enumerou uma série de pessoas pelas quais tinha muito carinho e foram vítimas do acidente.

"É muito dolorido. Nunca tinha perdido tantos amigos de uma só vez. Guilherme Laars (jornalistas da TV Globo) jogou com meus filhos no Nova Geração. Fui técnico dele. Joguei com o Mário Sérgio (ex-jogador que estava no avião) na seleção e, quando comecei no Flamengo, ele estava lá. Victorino Chermont, Paulo Júlio Clement (ambos jornalistas), Caio Jr (técnico da Chapecoense), Duca... Cezinha era fisioterapeuta e esteve lá no Kashima (Antlers, no qual Zico jogou no Japão). Anderson, filho do Paulo Paixão (preparador físico), amigo de longa data... Enfim, dias muito sofridos para o mundo do futebol", afirmou o galinho, no comunicado divulgado nesta quinta-feira.

"Brasileiros aqui do Goa jogaram com alguns que estavam na Chapecoense. Só temos que rezar em memória daqueles que Deus levou. Que Ele possa confortar e dar muita força aos familiares dos que se foram. Esperamos fazer uma bonita homenagem a todos eles no Maracanã, o palco maior do futebol", enfatizou Zico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.